2003-10-29

Subject: Comércio de animais na China e Pneumonia atípica

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do Boletim Informativo Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Comércio de animais na China e Pneumonia atípica 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Peritos em saúde pública temem que os mercados de animais selvagens que existem por toda a China podem ser a origem para o próximo surto de pneumonia atípica ou síndroma respiratória aguda (SRA) que poderá surgir este Inverno, mas os trabalhadores destes mercados não parecem preocupados. 

Chacina de cães no mercadoEntre o odor a morte e podridão, os vendedores de animais exóticos, petiscos muito apetecidos para os chineses, continuam a apregoar e a regatear a sua mercadoria. Passagens estreitas cobertas de dejectos, urina, entranhas de animais, etc., estão cheias de adultos e crianças. A alguns passos de distância, um homem espanca um cão com um cano de chumbo e corta-lhe a garganta, enquanto outro arranca a pele de outro cão já morto com as próprias mãos. 

Este tipo de ambiente é um fértil campo de propagação de vírus e outras doenças, como a SRA. A China baniu o comércio de animais e encerrou estes mercados em Maio, quando cientistas em Hong Kong identificaram em civetas e guaxinins vírus praticamente idênticos ao da SRA. 

Esta descoberta parecia provar que o vírus, que surgiu no sul da China em Novembro passado, deveria ter saltado a barreira entre espécies, passando de animais para o Homem. No entanto, cientistas chineses não conseguiram provar essa alegação, pelo que os mercados foram reabertos em Agosto e as civetas e outros animais estão de volta ao menu dos restaurantes. 

Coelhos e gatos amontoados em caixas a caminho do mercadoApós as críticas mundiais por ter tentado abafar o primeiro surto de SRA, o governo chinês ordenou que todos os animais destinados a consumo humano fossem criados em quintas, onde existiria controlo veterinário adequado. Mas muitos animais nestes mercados têm graves ferimentos ou faltam-lhes membros, revelando que foram capturados em armadilhas na natureza. São deixados a sangrar em gaiolas minúsculas e atafulhadas de animais a tal ponto que mal se podem mover, muitos deles de tal modo infectados que mal sobrevivem. 

No entanto, os vendedores negam este possível problema: SRA não pode ter nada a ver com nenhum destes animais, porque eles fazem parte da nossa vida e aqui ninguém morreu, alegam. A SRA deve ser uma arma bioquímica que alguém largou por aí, concluem. 

 

 

 

Civeta à espera de comprador

Um estudo recente feito no sul da China, no entanto, revelou anticorpos  SRA em mais de 13% dos mercadores de animais exóticos, indicando que estiveram expostos ao vírus. Uma das muitas questões não respondidas sobre este vírus é se as pessoas sem sintomas ainda o podem transmitir a outros. 

A civeta desde há muito que é muito apreciada pela sua carne tenra, que alegadamente melhora a circulação sanguínea, mas os sinais são cada vez mais preocupantes que esta crença chinesa poderá tornar-se um importante risco para a saúde pública. Uma civeta de tamanho média, semelhante a um gato doméstico, atingia os 800 yuan (€100), mas desde a crise da SRA apenas se consegue 200 yuan.

Poucos acreditam que este tipo de comércio tenda a desaparecer, apesar de tudo, pois a procura é especialmente elevada no Inverno, pois os chineses acreditam que carne selvagem ajuda a manter o corpo quente. As autoridades estão a tentar apenas que seja regulado e vigiado. 

 

 

Saber mais:   

Chinese Cruelty To Cats, Dogs & Other Animals

Human SARS virus not identical to civet virus

Síndroma Respiratória Aguda

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com