2017-08-22

Subject: Pescadores à linha revelam caça ilegal de tubarões

Pescadores à linha revelam caça ilegal de tubarões

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature/Greg Lovett/The Palm Beach Post/ZUMA

Os investigadores marinhos viraram-se para uma inovadora fonte de dados para seguir o impacto da pesca desportiva sobre espécies ameaçadas de tubarões: os fóruns de discussão onde os pescadores à linha se gabam das suas capturas.

Uma análise de mais de um milhar de publicações revelou tanto o comportamento ilegal, como, surpreendentemente, atitudes positivas em relação à conservação.

A pesca comercial excessiva é responsável por declínios populacionais em muitas espécies marinhas mas os investigadores suspeitavam que a pesca desportiva e recreativa, feita apenas pelo gozo de capturar peixes de grande porte, podia ser uma séria ameaça a algumas espécies ameaçadas, especialmente tubarões. Uma em cada quatro espécies de tubarões está ameaçada de extinção, de acordo com a Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza.

Um estudo de 2004 revelou que apesar dos pescadores à linha recreativos capturarem apenas 4% de todo o peixe capturado em águas americanas, eram responsáveis por 64% dos peixes ameaçados de extinção (incluindo tubarões) capturados no golfo do México.

Mas dados precisos sobre a escala destas atividades, e qual o sentimento dos pescadores à linha sobre os aspetos de conservação, são difíceis de obter: “Há uma enorme falta de dados porque não é considerado uma prioridade", explica David Shiffman, ecologista de tubarões na Universidade de Miami na Florida, que liderou este último trabalho. Informações sobre as técnicas de lidar com o peixe, que podem fazer a diferença entre a vida ou a morte dos animais, são particularmente escassas. “Penso que há preciso caracterizar melhor o comportamento dos pescadores recreativos no campo", diz Steven Cooke, ecologista de peixes na Universidade Carleton em Ottawa.

A Florida é um ponto quente de pesca desportiva e especialmente popular para a pesca de tubarões, por isso a equipa de Shiffman procurou recolher dados sobre as práticas dos pescadores à linha a partir de terra (os que pescam na praia ou em pontões e não em barcos) do estado.

A equipa descarregou entradas publicadas entre 2009 e 2015 no Clube do Tubarão do Sul da Florida, um fórum de discussão de grande dimensão onde se encontram os pescadores desportivos em busca de conselhos ou para mostrar as suas capturas. “É uma forma simples e de baixo custo de obter dados observacionais", diz Shiffman. O estudo será publicado na revista Fisheries Research.

Os investigadores contaram as publicações que continham certas espécies, questões de conservação, técnicas de pesca e opiniões de outros pescadores desportivos. Também usaram mensagens com imagens com tubarões identificáveis para estimar o número de espécies ameaçadas que eram capturadas.

No total, os investigadores descobriram 1527 capturas de tubarões relatadas, das quais 620 eram de espécies protegidas, como o tubarão-limão Negaprion brevirostris. A lei da Florida refere que uma espécie ameaçada capturada acidentalmente deve ser imediatamente libertada e não removida da água. Se tubarões forem trazidos para a praia, por exemplo, isso pode matá-los ou danificar as guelras ou os olhos.

  Os investigadores recolheram 389 imagens de pescadores desportivos a trazer ilegalmente espécies protegidas para terra: “Fiquei muito surpreendido por ver um comportamento tão gritantemente ilegal a ser publicitado daquela forma", diz Shiffman.

A equipa também notou que mesmo depois de os tubarões-tigre Galeocerdo cuvier e os tubarões-martelo Sphyrna sp. terem sido incluídos na lista de espécies protegidas da Florida em 2012, não houve queda significativa no número de utilizadores do fórum que admitiam tê-los capturado. “Para um cientista é fácil que isso pareça casmurrice ou burrice", diz Catherine MacDonald, estudante de PhD na Universidade de Miami e uma das coautoras do estudo.

Mas alguns utilizadores do fórum expressaram preocupação com as populações de tubarões e o conhecimento de que algumas técnicas de lidar com os animais são mais seguras que outras: “Encorajamos todos a libertar os tubarões-tigre e os tubarões-martelo em segurança de volta a natureza", escreveu um utilizador.

Muitos deles aperceberam-se de declínios nas populações locais devido à pesca comercial. “Sem dúvida que a raiz do declínio dos tubarões é a pesca comercial", diz MacDonald. “Mas no presente esse não será o principal desafio para estes animais na Florida.”

O trabalho é um bom ponto de partida, diz Andy Danylchuk, que estuda conservação de peixes na Universidade do Massachusetts Amherst mas ele considera que a abordagem terá que ser repetida noutros fóruns antes de se tirarem conclusões mais abrangentes sobre práticas e atitudes.

Cooke diz que há espaço para uma variedade de métodos de seguir esta atividade: "Pode ser feito com câmaras de vídeo e binóculos, para além dos fóruns." Em última análise, o estudo pretende “lançar alguma luz sobre um problema em larga escala", diz Shiffman. “Para monitorizar a população através dos métodos tradicionais teria de o fazer durante anos.”

 

 

Saber mais:

Entrou em vigor a primeira proibição à captura de tubarões e raias

Tubarões mortos para fazer vacinas

Tubarões nadam cada vez mais perto da extinção

Conservacionistas pedem um pouco de compaixão para com o grande tubarão branco

Cães usados como isco para tubarão em ilha francesa

Redes perdidas matam tubarões no Atlântico nordeste

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgPinterest simbiotica.orgInstagram simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2017


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com