2017-08-11

Subject: Polinizadores noturnos apagam-se sob luzes citadinas

Polinizadores noturnos apagam-se sob luzes citadinas

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature/Getty

Quando o Sol se põe, traças, besouros e outros insetos noturnos que transportam pólen de planta para planta, começam o seu trabalho mas a mais recente investigação revela que estes animais podem estar em risco devido à luz artificial.

Cientistas a trabalhar na Suiça relatam vastas quedas nas visitas de polinizadores, bem como uma redução na produção de frutos em canteiros de cardo Cirsium oleraceum sob luz artificial à noite, num estudo publicado na revista Nature. Os investigadores não tinham grande ideia sobre a forma vomo a poluição luminosa afetava os polinizadores mas os autores do estudo consideram que o seu trabalho salienta a forma como a pegada humana pode reverberar por todo um ecossistema, mesmo depois das pessoas se terem deitado.

Os investigadores colocaram candeeiros de rua móveis sobre canteiros de cardo que nunca tinha sido exposto a luz artificial à noite. Usando óculos de visão noturna para observar e capturar polinizadores, a equipa descobriu que esses canteiros tinham 62% menos visitas de insetos que canteiros às escuras. As plantas iluminadas artificialmente também tiveram uma redução de 29% nas espécies de polinizadores.

Os cardos iluminados produziram significativamente menos frutos desenvolvidos do que os mantidos na escuridão. As plantas cobertas por sacos à prova de polinizadores, entretanto, produziram o mesmo número relativo de frutos, estivessem sob luz artificial ou no escuro.

Ainda que os polinizadores diurnos sejam geralmente mais numerosos do que os noturnos, são incapazes de compensar a diferença em polinização perdida das plantas mantidas sob luz artiicial. Isto pode ser porque, como  alguns estudos mostraram, os polinizadores noturnos parecem ser mais eficazes na transferência de pólen entre plantas do que os seus primos diurnos, diz Eva Knop, ecologista na Universidade de Berna, Suíça, e primeira autora do estudo. “Assim, não é só a quantidade mas também a qualidade que conta.”

O estudo de Knop apenas analisou 14 canteiros mas o seu trabalho indicia a conexão íntima entre os polinizadores, diurnos ou noturnos, e as plantas que frequentam. Por exemplo, se as luzes afugentarem os polinizadores noturnos isso pode conduzir a menos frutos e, por sua vez, menos plantas. É uma alteração que pode ter repercussões sobre as populações de polinizadores diurnos, que dependem de plantas como o cardo para se alimentarem, referem os autores do estudo.

Este estudo é “o primeiro a mostrar que a poluição luminosa afeta não só as comunidades de traças mas também o processo ecológico da polinização", diz Darren Evans, ecologista na Universidade de Newcastle, Reino Unido, que tem estudado a forma como a luz artificial afeta as traças.

  Isto não são boas notícias especialmente para as traças, diz Evans, pois estão a sofrer declínios a longo prazo significativos por toda a Europa e apoluição luminosa está a subir por todo planeta: “Estudos como este demonstram que as traças são parte de um inricada teia de interações e, neste caso, desempenham um importante papel como polinizadoras", diz Evans.

Nem tudo são más notícias, no entanto. Jon Sadler, ecologista e biogeógrafo na Universidade de Birmingham, Reino Unido, descobriu que apesar da iluminação citadina poder afetar negativamente o movimento dos morcegos, essas mesmas luzes também podem atrair polinizadores como as traças, que os morcegos adoram devorar.

Sadler também salienta que nem todas as luzes artificiais são iguais: variam em direção, intensidade e duração, fatores que podem afetar o impacto global que as luzes têm sobre plantas e animais que as rodeiam. Ele acrescenta que é inteiramente possível que a luz empurre os polinizadores noturnos para as zonas mais escuras, o que pode reforçar a polinização nessas áreas.

Não é claro porque razão a luz artiicial tem um impacto negativo sobre os polinizadores, diz Knop. Pode confundir os ritmos circadianos das plantas e alterar as emissões de odor ou a produção que néctar, propõe ela.

O mais interessante, no entanto, é que o destino dos polinizadores noturnos parece intimamente relacionado com o dos polinizadores diurnos, acrescenta Knop, e, em alguns casos, a luz artificial pode estar a desfiar essa tapeçaria.

 

 

Saber mais:

Luzes brilhantes aceleram envelhecimento em ratos

Poluição luminosa cria eco-armadilhas

Nova Iorque reduz iluminação para ajudar as aves

Luzes apagadas para salvar aves migradoras americanas 

Maior estudo de sempre com neonicotinoides confirma danos a abelhas

Relatório da biodiversidade global alerta para ameaça aos polinizadores

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgPinterest simbiotica.orgInstagram simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2017


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com