2017-07-01

Subject: Harry Potter amaldiçoou corujas indonésias

Harry Potter amaldiçoou corujas indonésias

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature/Peter Langer/Design Pics Inc/Alamy

O número de corujas comercializadas ilegalmente nos mercados indonésios subiu abruptamente nas últimas duas décadas e os investigadores pensam que a popularidade dos livros e filmes Harry Potter podem estar por trás deste tendência.

Evidências anedóticas de países como a Índia já vinham a sugerir que a procura por corujas de estimação tinham atingido um pico com a popularidade de Harry Potter mas um estudo dos mercados indonésios, conhecidos por venderem uma variedade de aves selvagens como animais de estimação, coloca os números na mesma tendência.

Os investigadores da vida selvagem analisaram 20 mercados de aves nas ilhas de Bali e Java e dizem que o número de corujas vendidas subiu dramaticamente, de cerca de algumas centenas por ano antes de 2001 para 13 mil em 2016.

As corujas também passaram a ser uma proporção maior das aves disponíveis nos mercados, dizem os investigadores. Antes de 2001 representavam menos de 0,1% das aves vendidas mas no ano passado a sua quota subiu para perto de 1,5% em alguns mercados. O trabalho foi publicado na revista Global Ecology and Conservation.

Um dos coautores do estudo, Vincent Nijman, investigador da vida selvagem na Universidade Oxford Brookes, Reino Unido, tem a certeza de que existe uma ligação entre o aumento da venda de corujas e a popularidade dos livros e filmes Harry Potter, em que a personagem principal tem uma coruja como animal de estimação chamada Hedwig. O primeiro livro traduzido para indonésio surgiu em 2000 e a primeira adaptação a filme em 2001.

Apesar de ser difícil provar uma relação causal direta entre o fenómeno ficcional e o aumento de vendas de corujas, explica Nijman, “o Harry Potter normalizou as corujas como animais de estimação". As corujas são conhecidas por Burung Hantu em malaio, uma das línguas principais da Indonésia, mas agora são coloquialmente chamadas Burung Harry Potter, o que significa aves do Harry Potter, explica ele.

Nijman acrescenta que existem fóruns online onde os fans dos livros que procuram corujas como animais de estimação partilham dicas para obter as aves. O aumento do acesso à internet na Indonésia (um quinto da população está agora online, quando comparado cm apenas 2% em 2001), tornou mais fácil obter as aves e também deve ter contribuído para a subida das vendas.

Richard Thomas, da organização britânica Traffic, que monitoriza o comércio de vida selvagem, considera a questão complexa e que “não é possível dizer inequivocamente” que a causa seja o Harry Potter. No entanto, em relatório de 2015 da Traffic sobre os mercados de aves indonésios também salientou a subida de vendas de corujas e sugeriu que este aumento de procura se poderia dever à popularidade da personagem de ficção.

 

Em 2010, a organização também reconheceu que o comércio ilegal de corujas estava a crescer na Índia, onde os animais eram procurados principalmente pelas suas alegadas propriedades mágicas.

Nijman diz que as corujas geralmente podem ser compradas por US$6 a 30 nos mercados de aves indonésios, acessível à maioria das pessoas empregadas.

A variedade mais popular é a dos chamados mochos-d'orelhas e espécies ameaçadas do mesmo género (Otus) continuam a ser descobertas nas muitas ilhas do país. Isso torna o comércio de corujas uma questão de conservação, alertam os investigadores, pois praticamente todas as aves vendidas são capturadas na natureza.

A lei indonésia proíbe o comércio de formas de vida selvagem para as quais não existam quotas oficiais de captura, e estas não existem para as corujas, mas, de acordo com os investigadores, as autoridades não tomaram qualquer ação.

O país não monitoriza as suas populações de corujas, pelo que os investigadores têm que depender de estimativas para avaliar o impacto das vendas sobre o efetivo selvagem: "As corujas são noturnas por isso pode ser pouco aparente no curto prazo se há um declínio importante", diz Thomas.

Os investigadores propõem que as corujas deveriam ser incluídas na lista de espécies protegidas para alertar os compradores para o facto destas aves não serem animais de estimação. Nijman compara as corujas a flores cortadas: lindas quando se compram mas condenadas a morrer rapidamente. “Estão vivas e são amorosas quando as vemos nos mercados mas, na realidade, já estão mortas.”

 

 

Saber mais:

Zonas climáticas vão alterar-se mais rapidamente num mundo em aquecimento

Matar ratos é matar aves

Corujas mudam de cor com aquecimento global

Conservacionistas detetam falhas em plano de conservação da coruja

Corujas utilizam dejetos como isco

Cor da plumagem indica estratégia de sobrevivência em aves

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgPinterest simbiotica.orgInstagram simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2017


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com