2016-11-10

Subject: Genoma das formigas reescreve a história da ponte terrestre do Panamá

Genoma das formigas reescreve a história da ponte terrestre do Panamá

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature/Konrad Wothe/Imagebroker/FLPA

Placas tectónicas em colisão empurraram uma faixa de fundo do mar que em tempos dividiu as Américas do norte e do sul, originando o istmo do Panamá mas um estudo agora conhecido indicia que aconteceu milhões de anos antes do que os cientistas pensavam.

Dados evolutivos e de genética populacional das formigas-guerreiras Eciton, que apenas se deslocam em terra seca, sugerem que o istmo se formou há 4 a 8 milhões de anos. A pesquisa, publicada na revista Molecular Ecology, desafia a ideia há muito instalada de que a ligação entre os dois continentes não teria surgido há mais de 3 milhões de anos.

“Os nossos dados genómicos são evidências muito fortes de que as formigas-guerreiras atravessaram esta região muito antes do que o modelo do simples fecho do istmo sugere”, diz Corrie Moreau, curadora associada do Museu Field de Chicago, Illinois, e coautora do estudo. Ela salienta que os estudos geológicos mais recentes também indiciaram que o istmo pode ser mais antigo que os 3 milhões de anos.

Moreau começou o estudo como  uma tentativa para compreender a diversidade entre as formigas-guerreiras, predadores de topo em muitas florestas tropicais da América latina, mas rapidamente deu por si no meio de uma controvérsia geológica. As formigas Eciton, rainhas e operárias, não têm asas, o que as torna incapazes de atravessar corpos de água. As novas colónias formam-se apenas quando uma rainha leva metade da sua colónia original e a relocaliza, o que é uma barreira enorme á dispersão a longa distância.

“Ela escolheu a espécie perfeita para este tipo de estudo”, diz Brian Fisher, entomologista na Academia de Ciências da Califórnia em San Francisco.

Moreau usou uma técnica chamada genotipagem para sequenciar pequenos fragmentos de DNA dos genomas de vários indivíduos das nove espécies de Eciton, que se encontram do Brasil ao sul do México. Isto permitiu aos investigadores comparar as variações genéticas tanto entre espécies, como entre diferentes indivíduos da mesma espécie.

Camilo Montes, geólogo na Universidade dos Andes em Bogotá, Colômbia, salienta que a data da formação do istmo sugerida pelo estudo genético está alinhada com os resultados que ele obteve a partir da datação por urânio de cristais de zircão preservados nas rochas perto do istmo. “Estes dados moleculares são completamente independentes dos nossos resultados geológicos e fornecem outra visão de como estes eventos ocorreram, razão porque o estudo é tão importante."

  Outras evidências biológicas e geológicas também sugerem que o istmo emergiu mais cedo, através de um processo mais complexo do que antes se pensavam. Essas evidências incluem dentes fósseis de macacos antigos, que sugerem que os primatas atravessaram de um continente para o outro há 18 milhões de anos, e fósseis de plantas com 20 milhões de anos, encontradas durante a escavação do novo canal do Panamá em 2012.

Ainda assim, estes resultados não podem e não vão conseguir acabar com o debate entre os geólogos. Fisher salienta que um grupo irmão das formigas-guerreiras, as Neivamyrmex, foi capaz de viajar até ás Caraíbas, talvez em jangadas naturais de detritos criadas por deslizamentos de terra ou furacões. Isso deixa em aberto a possibilidade de as Eciton terem feito o mesmo, especialmente se a distância entre os continentes era relativamente pequena.

Anthony Coates, geólogo no Instituto Smithsonian de Investigação Tropical na Cidade do Panamá, está céptico em relação a qualquer evidência que conteste a idade de 3 milhões de anos para o istmo: “Há uma série de investigações em diferentes disciplinas e todos convergem no mesmo número de cerca de 3 milhões de anos, são evidências extremamente rigorosas."

As linhas de batalha geológicas parecem estar definidas, se serão capazes de formar uma ponte terrestre ideológica semelhante á física que os investigadores estão a estudar ainda está para ser visto.

 

 

Saber mais:

DNA de osso revela percurso da humanidade na América do Sul

Construtores ameaçam a floresta do Panamá

Animais aproveitam o canal do Panamá

Porque os trópicos são um caldeirão fervilhante evolutivo

Primeiros humanos a deixar África seguiram a costa

Cisnes ajudam a compreender as migrações

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgPinterest simbiotica.orgInstagram simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2016


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com