2016-06-13

Subject: Descoberto primeiro roedor com ciclo menstrual semelhante ao humano

Descoberto primeiro roedor com ciclo menstrual semelhante ao humano

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature/fotandy/Getty

Os ratos são um pilar essencial da investigação laboratorial biomédica mas os roedores são fracos modelos para o estudo da saúde reprodutora das mulheres pois não menstruam.

Agora, investigadores na Universidade Monash em Clayton, Austrália, dizem que encontraram um roedor que desafia esta sabedoria convencional:  o rato-espinhoso Acomys cahirinus. Se a descoberta se revelar correta, o animal pode um dia ser usado para investigar os problemas relacionados com a menstruação humana.

“Quando se é cientista já nada nos surpreende mas WOW, esta descoberta é mesmo interessante”, diz Francesco DeMayo, biólogo reprodutivo no Instituto Nacional de Ciências Ambientais da Saúde em Research Triangle Park, Carolina do Norte, que não esteve envolvido no trabalho.

O estudo, que foi publicado no servidor bioRxiv, envolveu 14 fêmeas de rato-espinhoso. Os investigadores descobriram que os animais tinham, em média, um ciclo menstrual de 9 dias e passavam 3 dias (ou seja, 20 a 40% do seu ciclo) a sangrar. Esta razão é semelhante à das mulheres, que tipicamente sangram durante 15 a 35% do seu ciclo de 28 dias.

Para seguir os períodos das ratas, a equipa lavou as vaginas dos animais diariamente com solução salina durante 18 dias. Para garantir que o procedimento, por si só, não estava a provocar o sangramento, a equipa tratou cinco ratos de laboratório vulgares da mesma forma. Os cientistas também dissecaram o útero de 4 ratas-espinhosas, cada uma numa fase diferente do ciclo menstrual.

A equipa continua a investigação para perceber exatamente como e quando o revestimento uterino das ratas se liberta e volta a crescer. Jared Mamrot, fisiologista reprodutivo na Monash e coautor do estudo, acabou de sequenciar o transcriptoma (todo o RNA expresso pelos genes dos ratos-espinhosos num dado momento). Isso pode fornecer informação sobre a forma como os genes regulam diferentes etapas do ciclo menstrual do rato-espinhoso.

Warren Nothnick, investigador na Universidade do Kansas em Kansas City que estuda a endometriose, uma doença do revestimento uterino, diz que será necessário muito trabalho para provar que o rato-espinhoso é um bom modelo para a menstruação humana mas ficou intrigado.

“Existem estudos muito simples que podem fazer para ver se estes animais podem desenvolver endometriose espontaneamente”, diz ele. A descoberta de que os animais podem realmente desenvolver esta doença naturalmente seria um enorme avanço, acrescenta Nothnick.

Atualmente, o animal modelo para a endometriose é o babuíno e a investigação em primatas é dispendiosa e demorada. Os ratos de laboratório podem ser induzidos a menstruar mas apenas se os seus ovários forem removidos e lhes forem ministradas doses anormalmente elevadas de hormonas. Apenas 1,5% dos mamíferos menstruam naturalmente e a maioria deles são primatas.

O rato-espinhoso também pode ajudar a lançar luz sobre a função menstrual saudável, diz DeMayo. Os cientistas não sabem a origem das células que repovoam o revestimento uterino depois de cada ciclo menstrual, salienta ele.

Mas DeMayo alerta para o facto de haver muito a aprender sobre até que ponto a menstruação é semelhante entre ratos-espinhosos e mulheres, incluindo os padrões de expressão genética envolvidos e de que forma as hormonas estrogénios e progesterona regulam o processo no rato.

A coautora do estudo Hayley Dickinson, fisiologista da reprodução na Universidade Monash, diz que a descoberta sobre estes ratos estava escondida à vista de todos. A Monash estabeleceu uma colónia de reprodução de ratos-espinhosos em 2003 e posteriormente transferiu os animais para o Instituto Hudson de Investigação Médica. Quando o laboratório de Dickinson anunciou a descoberta sobre a menstruação, vários estudantes perguntaram-lhe como era possível que tal lhes estivesse escapado: “A resposta, tal como muitas outras na ciência, não é que ninguém tivesse procurado", explica Dickinson. “Todos sabiam que os roedores não menstruavam.”

 

 

Saber mais:

Dizer adeus ao período de vez?

Período menstrual afecta o cérebro das mulheres

Mulheres são mais bonitas uma vez por mês

Minúsculos estômagos humanos desenvolvidos em laboratório

Investigadores apelam a fácil acesso à contracepção

Priápulo faz abanar dogma evolutivo

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2016


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com