2016-04-13

Subject: Fatores misteriosos protegem alguns sortudos de graves doenças genéticas

Fatores misteriosos protegem alguns sortudos de graves doenças genéticas

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature/BSIP/UIG via Getty Images

Analisando dados genéticos recolhidos de mais de meio milhão de pessoas, os investigadores descobriram um punhado de indivíduos resistentes a graves doenças infantis.

A descoberta, publicada na revista Nature Biotechnology, demonstra uma importante prova de conceito: ao partilhar enormes conjuntos de dados genómicos, os cientistas podem encontrar indivíduos saudáveis portadores de mutações que normalmente provocam doenças. Estudar essas pessoas pode ajudar os cientistas a identificar fatores que protegem contra a doença, refere Stephen Friend, co-autor do estudo e director da Sage Bionetworks em Seattle, Washington.

Doenças mendelianas, como a fibrose quística e a doença de Tay-Sachs, manifestam-se na infância e são geralmente provocadas por mutações num único gene. Muitos estudos procuraram identificar os genes envolvidos nestas doenças mas os fatores protetores naturais são desconhecidos e existem poucas terapias eficazes para tratar os sintomas.

Há anos que os investigadores têm conhecimento de pacientes com mutações que deviam levar à morte ou ao surgimento de doenças incapacitantes que têm vidas longas e saudáveis. Por exemplo, mulheres com a mutação BRCA1 têm um risco elevado de desenvolver cancro da mama, no entanto muitas das portadoras dessa mutação não desenvolvem a doença.

A abordagem deste novo estudo é notável pois combina dados de fontes muito díspares para encontrar estes indivíduos protegidos, diz Daniel MacArthur, geneticista no Instituto Broad do MIT e Harvard em Cambridge, Massachusetts: “É um esforço muitíssimo impressionante."

Friend acumulou dados de 12 estudos que juntos examinaram as sequências genéticas de 589306 pessoas. A equipa procurou mutações em 874 genes associados a perto de 600 doenças infantis.

Os cientistas reduziram a amostra a 15597 indivíduos portadores de pelo menos uma mutação associada às 163 doenças mendelianas incluídas no estudo. Depois de realizar uma série de testes de controlo de qualidade, incluindo revisão manual de testes clínicos e mais sequenciação genética das amostras armazenadas, os investigadores descobriram 13 indivíduos aparentemente saudáveis que tinham sobrevivido até à idade adulta sem revelar qualquer sintomas, apesar de serem portadores de uma mutação genética associada a uma de oito doenças doenças mendelianas.

“Penso que provavelmente há mais de 13 mas eles usaram um limiar muito restritivo”, diz Eric Topol, professor de genómica no Instituto de Investigação Scripps em La Jolla, Califórnia.

Mas o estudo foi limitado de algumas formas importantes: a sua natureza retroativa implica que os cientistas não tiveram consentimento para voltar a contactar os pacientes para pedir permissão para sequenciar os seus genomas completos. Para encontrar fatores protetores nestes indivíduos saudáveis, a equipa precisaria de fazer um seguimento e confirmar o seu estado antes de analisar completamente os genomas dos pacientes e suas famílias. "Foi um projeto simultaneamente entusiasmante e frustrante”, diz Friend. “Foi inteiramente uma prova de conceito para nos guiar num estudo prospetivo.”

Este trabalho abre caminho a futuros estudos de sequenciação de genótipos, em que a partilha de dados à escala nacional e internacional se tornará cada vez mais importante, diz MacArthur. Amostras de grandes dimensões serão exigidas para identificar fatores protetores comuns entre os indivíduos resistentes. “Tem tudo a ver com partilha de dados e colaboração", diz ele.

Friend defende que encontrar mutações que funcionam como fatores protetores contra doenças é um melhor ponto para começar a conceber terapias do que começar com a própria doença.

Topol descreve este novo rumo como território desconhecido mas importante: “O que precisamos de fazer no futuro é obter milhares destas pessoas e compreender o que lhes deu esta proteção de Teflon, este genoma à prova de bala", diz ele.

 

 

Saber mais:

Segunda equipa chinesa relata edição genética em embriões humanos

Painel académico americano dá luz verde à criação de embriões com três progenitores

Como os elefantes evitam o cancro

Utilização de medicamentos personalizados para o cancro vai à frente da ciência

Neanderthal tiveram efeito desproporcionado na biologia humana

Genoma humano carrega um pesado fardo

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2016


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com