2016-02-18

Subject: Acumulam-se evidências de orgia de cruzamentos entre espécies de humanos antigos

Acumulam-se evidências de orgia de cruzamentos entre espécies de humanos antigos

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

@ Nature

A descoberta de mais um período de cruzamentos entre os humanos antigos e Neanderthal veio somar-se à ideia de que os encontros sexuais entre espécies humanas antigas foram comuns ao longo da sua história.

“À medida que os primeiros humanos modernos e os humanos arcaicos são descobertos e sequenciados, vamos descobrir muitos mais momentos de cruzamento entre eles”, diz Sergi Castellano, geneticista populacional no Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva em Leipzig, Alemanha. A sua equipa descobriu o exemplo mais recente, que acreditam ter ocorrido há cerca de 100 mil anos, analisando vestígios de DNA de Homo sapiens num genoma de Neanderthal extraído do osso de um dedo do pé encontrado numa caverna na Sibéria.

“Há esta anedota na comunidade de genética populacional que diz que há sempre mais um evento de cruzamento", diz Castellano. Logo, antes de os investigadores descobrirem o próximo, fica uma lista dos episódios de cruzamentos que já foram deduzidos de estudos de DNA antigo.

1. Primeiros humanos modernos e Neanderthal

A descoberta mais recente surgiu de uma nova análise do genoma de uma mulher Neanderthal. A sequência do seu genoma, que é muito mais completa e rigorosa que as obtidas de outras amostras de Neanderthal, contém segmentos de DNA de Homo sapiens, devido a encontros que podem ter ocorrido no Médio Oriente.

Relatando o seu trabalho na revista Nature, Castellano propõe que há cerca de 100 mil anos os seus ancestrais, uma pequena população de Neanderthal em migração da Europa para a Ásia, encontrou uma das vagas iniciais de Homo sapiens que deixavam África. A identidade destes primeiros homens modernos é um mistério mas foram encontrados vestígios de Homo sapiens com essa idade nas grutas Skhul e Qafzeh em Israel, e dentes humanos igualmente antigos foram encontrados noutra gruta na China. Qualquer um dos conjuntos de vestígios pode representar os humanos que saíram primeiro de África mas não é claro se essa população tem descendentes vivos actualmente.

2. Humanos e Neanderthal

A primeira prova conclusiva de que humanos e Neanderthal acasalaram surgiu da análise do primeiro rascunho do genoma Neanderthal, obtido largamente a partir de vestígios encontrados na Croácia. Em resultado destes encontros, humanos de fora de África apresentam vestígios de DNA de Neanderthal correspondente a 1 a 2% do seu genoma. As duas populações podem ter-se encontrado no Médio Oriente há 50 a 60 mil anos, à medida que os humanos que deixavam África encontravam residentes Neanderthal.

Também poderão ter-se cruzado mais recentemente na Europa de leste: DNA de um esqueleto humano com 40 mil anos na Roménia sugere que o indivíduo pode ter tido um trisavô Neanderthal. Entretanto, alguns investigadores defendem que os ancestrais dos este-asiáticos tiveram um segundo romance com os Neanderthal, o que os levaria ter uma herança Neanderthal um pouco maior que os europeus.

3. Humanos e Denisova

Os Neanderthal não foram o único grupo antigo a cruzar-se com os humanos. Os Denisova, um grupo descoberto a partir de vestígios encontrados numa gruta nas montanhas Altai, pode ter em tempos vivido por toda a Ásia, dando-lhes ampla oportunidade para se cruzar com os humanos. As populações da Papua-Nova Guiné e outras zonas da Oceania apresentam fragmentos de DNA Denisova, tal como os este-asiáticos. Algumas destas sequências revelaram-se benéficas para os humanos: variantes genéticas que ajudam os tibetanos a lidar com a altitude podem ter sido herdadas dos Denisova.

4. Neanderthal e Denisova

Os Neanderthal e os Denisova, que viveram ambos na gruta Denisova em vários momentos, também se cruzaram, provavelmente há mais de 50 mil anos na Ásia. Os cientistas pouco sabem deste encontro mas pode ter fornecido aos Denisova genes do sistema imunitário dos Neanderthal.

5. Denisova e uma população "fantasma" de hominídeos

O episódio de cruzamento mais misterioso de todos envolve os Denisova e uma população "fantasma" de hominídeos que podem ter deixado África há alguns milhões de anos. A espécie misteriosa pode ser derivada do Homo erectus que viveu na Indonésia, talvez tão recentemente como há 100 mil anos, ou possivelmente mesmo parentes do Homo floresiensis, a espécie 'hobbit' descoberta há mais de uma década na ilha indonésia de Flores.

“Estamos a olhar para um mundo do tipo Senhor dos Anéis onde havia muitas populações de hominídeos”, referiu um geneticista quando as descobertas foram apresentadas em 2013. 

 

 

Saber mais:

Dentes chineses revelam percurso dos humanos antigos para fora de África

Primeiro genoma africano antigo revela vasta migração eurasiática

Neanderthal tiveram efeito desproporcionado na biologia humana

Ferramentas de pedra mais antigas que se conhecem colocam questões sobre os seus criadores

Neanderthal ganha vizinho humano

Sequenciado genoma do humano mais antigo que se conhece

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2016


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com