2004-07-17

Subject: O maior cardume da Terra chegou à costa de África

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

O maior cardume da Terra chegou à costa de África

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Após semanas de ansiedade, o maior cardume da Terra chegou. A "corrida à sardinha" é um dos maiores eventos marinhos do planeta, decorrendo entre Maio e Julho ao longo da costa sul africana.

Não existem números exactos acerca do número de sardinhas que realizam a migração, mas cardumes imensos com 15 Km de comprimento e 4 Km de largura flanqueiam a costa ao longo de mais de 1000 Km. 

Mas nem sempre as sardinhas são a principal atracção, pois são seguidas por uma horda de predadores que inclui perto de 20000 golfinhos comuns Delphinus delphis, milhares de tubarões baleeiros Carcharhinus brachyurus, focas do Cabo Arctocephalus pusillus pusillus e dezenas de milhar de alcatrazes do Cabo Sula capensis

De acordo com o folclore local, as sardinhas chegam após o florescimento da última planta de aloé, mas os operadores turísticos da zona do Cabo têm métodos alternativos para localizar o cardume.

As chamadas "baitballs" são são formadas em resultado da acção dos golfinhos, que concentram grupos de sardinhas como se fossem ovelhas, com a ajuda de cortinas de bolhas de ar, encurralando-as contra a superfície. Quando ameaçadas, as sardinhas alinham instintivamente o corpo com o dos peixes vizinhos, de forma a evitar que sejam isoladas do grupo, uma das melhores formas de defesa contra predadores.

Estas baitballs duram muito pouco tempo, entre 10 a 20 minutos, pois os predadores entram num frenesim alimentar. Há medida que os peixes são empurrados para a superfície, os alcatrazes atacam em formação, mergulhando de uma altura de mais de 30 metros e atingindo a água com velocidades perto dos 90 Km/h, mergulhando até 10 metros de profundidade.

Depois de toda esta actividade, as aves ficam tão empanturradas que não conseguem levantar voo e se ameaçadas são forçadas a regurgitar parte da enorme refeição para voar.

A oceanografia não tem uma explicação completa para este fenómeno. É sabido que as sardinhas apenas migram perto da costa na África do Sul, provavelmente devido à configuração da linha de costa e das correntes.

A sardinha é um peixe de água fria e com a chegada do Inverno austral uma corrente fria (14 a 20ºC) penetra a corrente quente que se dirige para sul, designada corrente de Agulhas. É devido à presença desta água fria que as sardinhas atingem zonas mais a leste. Esta "fuga" de sardinhas pensa-se que represente apenas 2% do stock da zona ao largo da costa do Cabo. 

 

O especialista em tubarões Andrew Aitken considera que ainda existem muitas questões por responder. Não se trata realmente de uma migração no sentido vulgar do termo, porque as sardinhas não se deslocam em busca de alimento ou para se reproduzirem, explica. Há evidências que mostram que algumas sardinhas regressam ao sul mais tarde na estação, mas não é claro que outros factores, para além das baixas temperaturas da água, desencadeiam a sua deslocação.

Outras Notícias:

Tanzânia preocupada com morte de flamingos

 

As autoridades da Tanzânia estão a investigar a morte de mais de 10000 flamingos no último mês, no Parque Nacional do Lago Manyara.

Os testes preliminares mostraram que as aves podem ter morrido envenenadas por toxinas presentes nas algas de que se alimentam, revelou a directora do parque Betty Loibooki. As amostras foram enviadas para a Alemanha para análise mais rigorosa.

O lago Manyara, localizado no noroeste da Tanzânia, é o lar de mais de 300 espécies de aves e mais de 3 milhões de flamingos.

Até ao momento, ainda não é claro o que está a causar as mortes, mas temos cientistas no terreno para o investigar, explica James Lembeli, da direcção dos Parques Nacionais da Tanzânia. As mortes tiveram início em meio de Junho e duraram até à semana passada, mas depois não voltaram a acontecer.

Duas espécies de flamingos vivem na zona do lago Manyara, o flamingo pequeno Phoeniconaias minor que se alimenta de algas e o flamingo grande Phoenicopterus ruber que se alimenta essencialmente de insectos. De acordo com Lembeli, apenas os flamingos pequenos têm sido afectados.

Os flamingos são uma importante fonte de receitas na Tanzânia, onde são a segunda maior atracção para os turistas, logo atrás dos leões em popularidade. 

 

 

Saber mais:

Sardine Run Association

Natal Sharks Board

Tanzania National Parks

Warning over Flamingo deaths

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com