2015-08-04

Subject: Revelada complexa vida sexual de organismo antigo

Revelada complexa vida sexual de organismo antigo

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ BBC

Um dos primeiros organismos complexos tinha uma vida sexual surpreendentemente complexa, dizem os cientistas.

Até recentemente, pouco se sabia sobre a biologia do Fractofusus, um organismo que viveu nos oceanos há 565 milhões de anos, mas uma nova pesquisa agora revelada deu a conhecer uma reprodução dual: através de um dos métodos reprodutivos, o organismo criava juvenis a partir de partes do seu próprio corpo (como ainda fazem as hidras, por exemplo) e através do outro, libertava uma espécie de sementes para a coluna de água.

Este método reprodutivo permitia a este organismo antigo produzir clones capazes de colonizar rapidamente uma nova zona do fundo do mar. O estudo foi publicado na última edição da revista Nature.

O Fractofusus, originalmente baptizado 'fuso' até ser formalmente descrito em 2007, surgiu na fauna de Ediacara e é um dos primeiros organismos complexos que se conhece, emergindo de um oceano de microrganismos.

Crescia até cerca de 40cm de comprimento e tinha uma forma achatada oval, composta por uma série de pequenos ramos que se estendiam ao longo do fundo do mar.

"Tem uma estrutura corporal muito distinta, totalmente única", explica Emily Mitchell, autora principal do artigo e investigadora na Universidade de Cambridge, Reino Unido. "Actualmente não existe nada remotamente parecido com o Fractofusus, o que torna o esforço para o compreender verdadeiramente difícil."

"Sabíamos muito pouco sobre eles, para além de viverem no mar profundo e terem uma área corporal superficial relativamente grande, o que sugeria que obtinha os nutrientes da coluna de água. Literalmente não tínhamos nenhuma ideia de como se reproduzia antes de fazermos este estudo."

Uma análise de um leito de fósseis em Newfoundland, Canadá, permitiu a esta equipa de cientistas lançar alguma luz sobre a vida sexual do animal.

Mitchell refere que ainda que ter dois modos de reprodução possa parecer invulgar, muitos organismos actuais ainda o fazem, especialmente plantas, ainda que o Fractofusus não deva ser considerado uma planta.

"De certeza que não era uma planta pois não era capaz de fazer fotossíntese, não há luz às profundidades que vivia. No entanto, também não o podemos considerar um animal pois não exibia qualquer das características que associamos aos animais. Pertencia a um agora extinto grupo de eucariontes conhecido como os rangeomorfos."

"Mas de que forma os rangeomorfos se relacionam com os animais e com a origem dos animais é incrivelmente difícil de determinar", lamenta ela.

Enquanto o debate permanece aceso sobre qual deverá ser a sua posição na árvore da vida, o seu invulgar estilo de vida sexual funcionava bastante bem para o Fractofusus, ainda que, em termos evolutivos, o organismo não tenha sido um sucesso: extinguiu-se há cerca de 540 milhões de anos e nada semelhante voltou a surgiu na história da vida na Terra.

 

 

Saber mais:

Caudas contam a história do sexo entre dinossauros

Fósseis rescrevem história do sexo penetrativo

Factor sexual de bichos-da-seda não é um vulgar gene

Genes modernos oferecem vislumbre de sexo entre diferentes etnias

Lampreias-macho aquecem-se para o sexo

Priápulo faz abanar dogma evolutivo

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2015


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com