2003-10-23

Subject: Verme microscópico detém o segredo da vida eterna

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do Boletim Informativo Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Verme microscópico detém o segredo da vida eterna

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Caenorhabditis elegansUm minúsculo verme nemátodo pode viver até seis vezes o seu tempo médio de vida se certos genes e hormonas forem accionados, revelou a revista Science.

Aos vermes da espécie Caenorhabditis elegans usados nestas experiências foi inibida a produção de uma hormona que controla o metabolismo e retirado o sistema reprodutor. Mantiveram-se saudáveis e activos durante o que seria, em termos humanos, 500 anos, o que é o tempo mais longo de vida já alcançado pelos cientistas. Os investigadores têm esperança que estas descobertas possam ter correspondência nos mamíferos. 

Os cientistas da universidade da Califórnia descobriram que podiam duplicar o tempo médio de vida dos vermes C. elegans, se causassem uma mutação que inibisse a actuação da insulina. A insulina é uma hormona metabólica, regulando a concentração de glicose no corpo. Quanto menor fosse a actuação da insulina, maior seria o tempo de vida dos vermes, até que se os animais atingiam um estado letárgico. 

A remoção do aparelho reprodutor teve igualmente um efeito dramático, com o tempo médio de vida a ser aumentado em 60%. Não foi a infertilidade a causa desta alteração, referiram os investigadores, mas a alteração hormonal daí resultante e seu efeito na insulina. 

A conjugação da alteração hormonal e remoção do aparelho reprodutor levou a um aumento de seis vezes no tempo médio de vida dos vermes, indicando que a longevidade extrema e a letargia podem ser separados. 

A extensão do tempo médio de vida dos vermes, a maior alguma vez produzida em organismos, é particularmente intrigante, concluem os investigadores, pois o metabolismo da insulina controla a longevidade em muitas espécies, incluindo mamíferos. 

 

 

 

Outras Notícias:

Caenorhabditis elegans  

Encontrados em todo o mundo, estes vermes nemátodos alimentam-se de bactérias.

O seu ciclo de vida dura, normalmente e em condições óptimas, 15-20 dias. Existem animais hermafroditas e machos, cada um com cerca de 1 mm de comprimento mas de aspecto diferente no adulto. Os hermafroditas podem autofecundar-se e os machos surgem espontaneamente mas com uma frequência muito baixa, podendo fecundar os hermafroditas. Estes últimos nunca podem fecundar-se entre si.  

Os jovens desenvolvem-se a partir de ovos, atingindo a fase adulta após 4 mudas. O período fértil dura cerca de 4 dias, vivendo após esse período mais 10 ou 15 dias. 

Este verme é usado extensamente como sistema modelo em vários tipos de investigação, nomeadamente comportamento, envelhecimento, biologia molecular, genética, etc. É muito fácil de manter em laboratório, podendo ser cultivado em caixa de Petri com agar ou em culturas líquidas contendo E. coli como fonte de alimento. Mutantes são fáceis de obter por exposição a radiações ionizantes ou com mutagénicos químicos.

 

 

Saber mais:   

Introduction to Caenorhabditis elegans

'No limit' to human life span

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo?? 

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com