2015-04-04

Subject: Mediterrâneo é uma crescente zona de acumulação de resíduos plásticos

Mediterrâneo é uma crescente zona de acumulação de resíduos plásticos

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ BBC

Um estudo espanhol veio agora revelar cerca de mil toneladas de plástico a flutuar à superfície do mar Mediterrânico, essencialmente fragmentos de garrafas, sacos e embalagens de plástico.

A riqueza biológica e económica do mar Mediterrânico significa que esta poluição por material plástico é particularmente perigosa, referem os investigadores. O plástico tem vindo a ser encontrado nos estômagos de peixes, aves, tartarugas e baleias mas os pedaços de plástico mais pequenos até surgem em ostras e mexilhões que crescem nas suas costas.

"Identificámos o mar Mediterrânico como uma enorme zona de acumulação de detritos de plástico", explica Andrés Cozar, da Universidade de Cadiz em Puerto Real, Espanha. "A poluição marinha por plásticos tornou-se um problema à escala planetária apenas 50 anos após a utilização generalizada de materiais plásticos se ter iniciado, exigindo urgentemente a criação de estratégias de gestão para lidar com a questão."

O plástico está a acumular-se no mar Mediterrânico a uma escala semelhante à dos giros oceânicos, as correntes rotativas que existem nos oceanos Índico, Atlântico norte e sul, Pacífico norte e sul, revela o estudo.

A elevada abundância de plástico também tem sido encontrada noutros mares, incluindo a baía de Bengala, o mar da China e o mar de Barents, no árctico.

Comentando o estudo, publicado na última edição da revista PLOS ONE, David Morritt, da Royal Holloway, Universidade de Londres, refere que os cientistas estão particularmente preocupados com os minúsculos pedaços de plástico, como menos de 5 mm de diâmetro, conhecidos por microplástico e o estudo mostra que mais de 80% dos itens de plástico presentes no Mediterrâneo caem nesta categoria.

"Estes fragmentos plásticos muito pequenos são facilmente engolidos pelas espécies marinhas, potencialmente libertando compostos químicos para o intestino", diz Morritt, da Faculdade de Ciências Biológicas. "O plástico não se degrada no ambiente pelo que temos que pensar com muito mais cuidado na forma como o descartamos, reciclamos e reduzimos a sua utilização."

O mar Mediterrânico representa menos de 1% da área global coberta por oceanos mas é muito importante em termos económicos e ecológicos: contém entre 4% e 18% de todas as espécies marinhas e fornece rendimentos pelo turismo e pela pesca aos países que o ladeiam.

"Dada a riqueza biológica e concentração de actividades económicas no mar Mediterrânico, os efeitos da poluição por plásticos na vida marinha e humana pode ser particularmente relevante nesta zona de acumulação", diz Cozar.

 

 

Saber mais:

Destino do plástico marinho permanece um mistério

'Madeira de plástico' pode não ser tão amiga do ambiente como se apregoa

Poluentes orgânicos envenenam o tecto do mundo

Persiste mistério do plástico 'degradável'

Estudo mede acumulação de plástico no Atlântico

Ilha de lixo descoberta no Atlântico norte

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2015


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com