2015-01-24

Subject: Tribunal italiano condena criadores de cães de laboratório

Tribunal italiano condena criadores de cães de laboratório

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ Nature/Gabriele Strada

Um tribunal na cidade italiana de Brescia aplicou penas de prisão a três empregados de uma companhia que cria cães de raça beagle para investigação científica.

Os três tinham sido acusados de crueldade para com os animais a seu cuidado e de abater alguns deles sem justificação. O tribunal considerou ainda outro acusado inocente.

Roberto Bravi, director das instalações Green Hill em Montichiari, perto de Brescia, pertença da companhia americana de criação de animais Marshall Bioresources, recebeu um ano de prisão, Renzo Graziosi, veterinário das instalações, e Ghislaine Rondot, gestor das actividades da Marshall na Europa, receberam ambos um ano e meio de pena de prisão.

A decisão foi anunciada a 23 de Janeiro mas o seu fundamento apenas será tornado público daqui a dois meses.

A Liga Italiana Anti-vivissecção (LAV) proclamou uma vitória mas considerou as sentenças demasiado leves. Alguns grupos que defendem a investigação, pelo contrário, expressaram a sua surpresa e preocupação. Dario Padovan, presidente do grupo de pressão de defesa da investigação científica Pro-Test Itália, que estava a seguir o julgamento de perto, diz que esperava que os acusados ganhassem: “Ficámos chocados, é outro ataque à investigação biomédica italiana, que está cada vez mais vulnerável."

Os cães eram usados em testes de novos medicamentos e em alguns tipos de investigação biomédica básica, particularmente em estudos cardiovasculares e sobre diabetes mas correspondem a apenas 0,25% do total de animais usados para propósitos científicos na União Europeia, de acordo com as estatísticas de 2011.

As instalações Green Hill foram temporariamente encerradas em 2012 depois de a LAV e a Legambiente, uma organização que faz campanhas a favor do ambiente e da herança cultural, apresentarem alegações de maus-tratos a animais. Um tribunal local permitiu que os grupos activistas distribuíssem os animais por lares de adopção e deu início a uma investigação.

Em Maio de 2013 o tribunal de Brescia declarou a Green Hill inocente em todas as acusações mas uma semana depois os procuradores públicos aplicaram as mesmas acusações contra quatro indivíduos.

Os três que receberam sentenças de prisão podem ainda recorrer mas se as suas sentenças forem confirmadas não é provável que as cumpram pois em Itália sentenças abaixo dos três anos geralmente acabam convertidas em multas ou em períodos de condicional.

 

 

Saber mais:

Autor defende controverso relatório sobre caça à foca

Matar lobos pelo gozo

Cães usados como isco para tubarão em ilha francesa

Nova lei contra maus-tratos sobre animais publicada em Inglaterra

Activistas dos direitos dos animais causam ira de multinacionais americanas

Semana Mundial dos Animais em Laboratório

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2015


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com