2014-11-28

Subject: Geoengenharia pode causar danos a milhares de milhões

 

Geoengenharia pode causar danos a milhares de milhões

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ BBC

Os esquemas para lidar com as alterações climáticas podem revelar-se desastrosos para milhares de milhões de pessoas mas isso pode ser inevitável para bem do planeta, dizem os cientistas.

Esta é a perturbante conclusão de um novo conjunto de estudos sobre o que já ficou conhecido por geoengenharia, ou seja, a até agora por provar ciência que tem como objectivo a intervenção sobre o clima como forma de fazer baixar as temperaturas globais.

Estes projectos funcionariam, por exemplo, criando sombra sobre a superfície da Terra ou absorvendo dióxido de carbono da atmosfera. Para o conseguir poder-se-ia pulverizar com aviões partículas de enxofre em altitude para imitar o efeito de arrefecimento dos vulcões ou a utilização de árvores artificiais para absorver CO2.

Há muito consideradas as mais bizarras das propostas de soluções para o aquecimento global, as ideias de geoengenharia têm tido cada vez mais escrutínio nos últimos anos, à medida que os esforços internacionais para limitar as emissões de carbono falharam.

Agora, três projectos de investigação combinados, liderados por equipas das universidades de Leeds, Bristol e Oxford, exploraram as implicações em mais detalhe.

A conclusão central, segundo Matt Watson, da Universidade de Bristol, é que as questões que rodeia a geoengenharia, como poderá funcionar, os efeitos que poderá ter e os potenciais aspectos negativos, são "realmente muito, muito, complicados". "Não nos agrada a ideia mas estamos cada vez mais convencidos que temos que a investigar. Pessoalmente acho tudo isto aterrador mas temos que a comparar com não fazer nada e deixar que se chegue a um mundo com uma subida de 4ºC nas temperaturas."

Os estudos usaram modelos de computador para simular as possíveis implicações das diferentes tecnologias, com um maior foco sobre ideias para produzir desertos, oceanos e nuvens mais reflectivos de forma a que a radiação incidente não alcance a superfície.

Uma simulação imaginava navios a pulverizar densas plumas de partículas para o ar para tentar alterar as nuvens mas o modelo revelou que esta situação seria muito menos eficaz do que antes se pensava. Outra explora a opção de injectar aerossóis de sulfato para a atmosfera sobre o Árctico, num esforço para reverter o declínio do gelo marinho.

Uma descoberta crucial foi que nenhuma das simulações conseguiu manter a temperatura global ao nível do período 1986-2005, sugerindo que qualquer tipo de esforço deste género teria que ser mantido durante muitos anos.

Mas ainda mais alarmante para os investigadores foram as potenciais implicações para os padrões de precipitação. Apesar de todas as simulações mostrarem que o bloqueio dos raios solares (gestão da radiação solar, como é conhecida) reduzirem realmente a temperatura global, os modelos revelaram alterações profundas na precipitação, incluindo perturbações das monções indianas.

Piers Forster, da Universidade de Leeds, diz: "Descobrimos que entre 1200 e 4100 milhões de pessoas podem vir a ser adversamente afectadas por estas alterações nos padrões de precipitação. O exemplo mais directo de um efeito secundário negativo seria a secura total da região do Sahel em África, que seria muito difícil adaptar para essas populações, e isso acontece em todos os cenários."

Apesar do risco de efeitos secundários catastróficos da geoengenharia, os autores do estudo acreditam que a investigação deve continuar, prevenindo a hipótese de um aquecimento descontrolado não deixar outras opções. Forster refere: "Se estivermos numa situação realmente desesperada, a tentar baixar as temperaturas globais há 10 a 20 anos, pode haver algum mérito nessas circunstâncias na introdução da gestão da radiação solar para nos dar esse período de 10 a 20 anos."

Segundo Steve Rayner, da Universidade de Oxford, é mais fácil conceber a tecnologia do que compreender os seus efeitos ou como a sua utilização deve ser conduzida. "Se estiveres apenas a pensar na capacidade de colocar aerossóis de sulfatos na atmosfera, que pudessem ser feitas em menos de duas décadas, consegues faze-lo mas se queres saber se isso será inteligente de fazer é algo muito diferente. As pessoas denigrem a gestão da radiação solar com um penso-rápido mas os pensos-rápidos são úteis para ajudar a sarar."

 

 

Saber mais:

5 mil milhões estarão expostos a um clima totalmente novo

Relatório do IPCC coloca geoengenharia na ribalta

Furor com fertilização oceânica ao largo do Canadá

Geoengenharia não reduzirá a subida do nível do mar

Geoengenharia é exequível

Esquemas de geoengenharia sob escrutínio

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2014


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com