2014-09-16

Subject: Entrou em vigor a primeira proibição à captura de tubarões e raias

 

Entrou em vigor a primeira proibição à captura de tubarões e raias

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ BBC

Todo o comércio de cinco espécies de tubarões passará a ser regulamentado a partir de agora, um importante passo em frente na sua conservação. Sem uma licença confirmando que estes tubarões foram capturados de forma legal e sustentável, a venda da sua carne ou barbatanas será proibida.

A regulamentação foi acordada no ano passado durante o enconro da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES) na Tailândia e as suas regras também ase aplicam às raias-manta.

O número de tubarões tem estado sob pressão intensa nos últimos anos, à medida que as suas capturas dispararam. As estimativas científicas colocam esses números em cerca de 100 mil animais por ano, com a procura conduzida essencialmente pelo comércio de sopa de barbatana de tubarão em Hong Kong e na China.

As organizações conservacionistas tentam acabar com o comércio desregulado desde a década de 90 mas foi apenas no último encontro da CITES em Bangkok que finalmente conseguiram obter votos suficientes para implementar a proibição.

Desde domingo passado, o o tubarão de pontas brancas oceânico, o tubarão-sardo e três espécies de tubarão-martelo serão elevadas ao Apêndice II do código da CITES, o que significa que os seus comerciantes precisam de licenças  certificados.

A sobrevivência de todas estas espécies, bem como das raias-manta (muito apreciadas pelas suas guelras, que são usadas na medicina chinesa), tem sido ameaçada pela sobreexploração, pelo que a decisão é considerada a mais significativa para a sua protecção nos 40 anos de história da CITES.

"A regulamentação do comércio internacional destes tubarões e raias é critica para a sua sobrevivência e é uma forma tangível de ajudar a proteger a biodiversidade dos nossos oceanos", diz o secretário-geral da CITES John Scanlon.

"A implementação prática destas listagens vai implicar questões como a determinação dos níveis de exportação sustentáveis, verificação da legalidade e identificação de barbatanas, guelras e carne que são comercializadas. Isto tudo pode parecer um grande desafio mas se trabalharmos juntos podemos faze-lo."

 

De acordo com as regulamentações, todo o comércio destes tubarões e raias em 180 países não será permitido se não tiver sido autorizado pelas autoridades nacionais assim designadas.

O comércio de barbatanas de tubarão já está em acentuado declínio em resultado das campanhas de consciencialização do público, com as vendas a cair cerca de 70%. No início do ano, a cadeia hoteleira Hilton Worldwide, por exemplo, deixou de servir barbatanas de tubarão nas suas 96 propriedades na Ásia e no Pacífico.

Mas também é facto que vários países colocaram reservas às regulamentações da CITES para algumas das espécies. A Dinamarca (em nome da Groenlândia), o Canadá, a Guiana, o Japão, a Islândia e o Yémen todos afirmam não ir obedecer às novas regras e continuarão a pescar algumas ou todas estas espécies.

Mas de acordo com as regulamentações agora em vigor, apenas poderão comercializar as suas capturas com os outros países que também registaram as suas reservas.

Funcionários da CITES salientam que para uma questão tão controversa, o número de países que registaram reservas é pequeno e, ainda mais importante, a China, que é o maior mercado consumidor, não é um deles.

 

 

Saber mais:

A razão por que os tubarões não têm ossos

Tubarões batem com a cauda para atordoar presas

Tubarões-limão aprendem observando-se uns aos outros

Tubarões criam e usam mapas mentais do seu território

'Pescar descendo a teia alimentar' falha no teste global

Tubarões mortos para fazer vacinas

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2014


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com