2004-06-24

Subject: Prazer pode ser a base da relação mãe-bebé

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Prazer pode ser a base da relação mãe-bebé 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Os receptores de prazer são mais conhecidos por ajudar o corpo a responder à morfina ou ao ópio, mas afinal também podem ser a chave para a ligação que se estabelece entre uma mãe e o seu filho, revelaram os cientistas.

As crias de rato geneticamente modificadas para não apresentar estes receptores não são capazes de estabelecer as ligações adequadas com as suas mães, nem mostraram a perturbação habitual quando eram delas separadas.

Francesca D'Amato, do Instituto de neurociência, psicobiologia e pscicofarmacologia de Roma, e seus colegas, usaram ratos que não apresentavam receptores mu-opóides, uma proteína localizada na membrana das células e vital para o circuito de dor no cérebro.

Ratinhos normais, quando separados das suas mães, guincham e esperneiam, cada vez mais quando colocados num ambiente estranho. Mas os ratinhos mutantes quase nem choramingam quando colocados nesta situação, relataram os investigadores na revista Science

Esta situação não se devia à ausência de medo, pois os ratinhos mutantes choramingavam e guinchavam de forma normal quando colocados num recipiente frio ou lhes era permitido cheirar um macho estranho. As crias de rato têm medo dos machos estranhos pois estes matam-nos e devoram-nos frequentemente.

 

D'Amato e os seus colegas referem que a sua experiência apoia a teoria de que o prazer e o estabelecimento de relações estão associados. O sistema opióide pode ajudar os bebés a estabelecer ligações com as suas mães, ajudando-os a associar o cheiro da mãe com sensações de prazer.

Pode ser que as crianças com as chamadas desordens de ligações emotivas, muito perceptíveis em doenças como o autismo, não têm sistemas opióides funcionais, consideram os investigadores.

Se as investigações futuras comprovarem que este é o caso, os ratos mutantes serão excelentes modelos para o estudo do autismo humano e outras desordens do foro emocional, concluem os investigadores.

 

 

Saber mais:

Encontrado o gene da fidelidade

Ovelhas gostam de sorrisos

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com