2014-07-10

Subject: Teste barato acelera tempo de diagnóstico da tuberculose

 

Teste barato acelera tempo de diagnóstico da tuberculose

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ Nature/Jeffrey D. Cirillo

Um sistema portátil e barato de diagnóstico pode reduzir o tempo que se demora a detectar a bactéria da tuberculose (TB) de semanas ou meses para menos de meia hora, potencialmente ajudando os médicos a tratar as infecções antes de os pacientes terem tempo de infectarem outros sem o saberem.

A bactéria que provoca a TB, Mycobacterium tuberculosis, cresce extremamente devagar em laboratório, logo os clínicos têm poucas opções para diagnosticar a doença, diz o epidemiologista Jason Andrews, da Universidade de Stanford na Califórnia. Das duas uma: podem tentar fazer crescer as bactérias a partir de uma amostra (o que pode levar mais de dois meses) ou procurá-las numa amostra de expectoração espalhada numa lâmina, uma técnica que pode não detectar uma infecção 50% das vezes.

Um método chamado GeneXpert, produzido pela Cepheid em Sunnyvale, Califórnia, e recomendado pela Organização Mundial de Saúde desde 2010, consegue detectar rigorosamente o DNA da M. tuberculosis em poucas horas mas exige equipamento especializado e pessoal treinado, o que a torna impraticável em zonas rurais ou em países em desenvolvimento.

Para acelerar o processo, o químico Jianghong Rao, de Stanford, e o microbiólogo Jeffrey Cirillo, do Centro de Ciência da Saúde da Texas A&M em Bryan, desenvolveram um composto químico chamado CDG-3, que brilha quando é degradado por uma enzima da M. tuberculosis chamada BlaC. Os investigadores descobriram que podiam detectar apenas dez bactérias presentes numa amostra de um mililitro.

Seguidamente, testaram o método em 50 amostras de expectoração de pessoas do Texas. O método identificou correctamente todas as amostras que continham M. tuberculosis visíveis ao microscópio e 80% daquelas em que as infecções não eram visíveis. Quando testada em pessoas com TB, a sonda CDG-3 diagnosticou-as correctamente 73% das vezes.

Os resultados foram agora publicados na revista Angewandte Chemie.

David Alland, especialista em doenças infecciosas na Universidade Rutgers em Newark, Nova Jérsia, diz que apesar do teste ser espantosamente sensível, o facto também ter indicado que pessoas saudáveis tinham TB 27% das vezes significa que será mais útil como método de triagem. Pode ser usado numa aldeia remota, por exemplo, para retirar da atenção clínica as pessoas que não precisam de tratamento e mandar os restantes para a clínica para outros testes com métodos mais caros e mais rigorosos como o GeneXpert. Num estudo publicado no ano passado, Alland calculou que um hipotético sistema de triagem poderia reduzir os custos em 30 a 40%.

Rao e Cirillo estão agora a trabalhar com a companhia de diagnóstico GBDbio de Temple, Texas, para desenvolver um dispositivo portátil e a pilhas que mede a fluorescência do CDG-3 enquanto é degradado. O executivo-chefe Michael Norman diz que a companhia espera ter o dispositivo no mercado em 2015. Ele espera que cada teste custe cerca de €3 e demore menos de 30 minutos a dar o diagnóstico.

“Há muito espaço para testes de triagem mais rápidos”, diz Graham Timmins, toxicólogo na Universidade do Novo México em Albuquerque. Ele salienta que, do ponto de vista de saúde, os falsos negativos, que podem resultar em pessoas infectadas a serem mandadas para casa, são muito preocupantes do que os falsos positivos, em que pessoas saudáveis são tratadas sem necessidade (ainda que o uso excessivo de antibióticos promover a resistência aos medicamentos). Ele louva o artigo por dar um "salto quântico" do laboratório para a clínica mas diz que a tecnologia precisa de ser testada por um número muito maior de pessoas.

Rao e Cirillo dizem que estão a validar o teste CDG-3 e o dispositivo de leitura em grupos maiores, incluindo alguns em países em desenvolvimento. Também estão a desenvolver testes semelhantes que detectem enzimas que permitem à M. tuberculosis resistir aos antibióticos. Esses diagnósticos podem eventualmente dizer aos médicos qual o melhor método para tratar uma infecção em particular.

 

 

Saber mais:

OMS alerta para chegada da era pós-antibiótico

Genomas revelam raiz da multirresistência na tuberculose

A ameaça oculta que pode impedir a erradicação global da pólio

Molécula sintética bloqueia desenvolvimento da tuberculose

Prevenção da tuberculose pode acelerar resistência aos medicamentos

Alterações no diagnóstico da tuberculose causam confusão

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2014


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com