2014-06-25

Subject: Campos não lavrados ajudam nas ondas de calor

 

Campos não lavrados ajudam nas ondas de calor

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ Nature/AgStock Images, Inc. / Alamy

O plantio directo, em que as sementes são colocadas nos campos sem que o solo seja primeiro arado, pode ajudar a baixar as temperaturas perto de terrenos agrícolas até 2°C, relatam os investigadores na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

O efeito é conduzido pelo aumento da fracção de luz do sol que o solo reflecte de volta ao espaço (o albedo) em campos que não foram arados, o que reduz a quantidade de calor que a superfície a Terra absorve. Os lotes de plantio directo são cerca de 50% mais reflectivos nos meses de Verão do que os terrenos arados, de acordo com medições feitas em campos de trigo de uma quinta experimental localizada na região da Provença em França.

Isso pode traduzir-se num grande efeito sobre o clima à escala local, diz Sonia Seneviratne, cientista climática no Instituto Federal de Tecnologia da Suíça (ETH) em Zurique e uma das autoras do estudo. “O efeito sobre os extremos é muito forte, o arrefecimento é o dobro para temperaturas muito elevadas do que é para temperaturas médias", diz ela.

Estudos anteriores tinham concluído que os efeitos de arrefecimento dos campos não arados eram pequenos mas essas pesquisas geralmente analisavam as temperaturas médias durante períodos longos de tempo e grandes áreas. Os modelos climáticos de Seneviratne e da sua equipa também encontrou um pequeno efeito de arrefecimento (menos de 1°C) nas zonas de plantio directo em dias em que as condições são semelhantes à média sazonal.

Mas nos 1% de dias de Verão mais quentes, como os da onda de calor que afectou a Europa ocidental em 2003 e matou mais de 14 mil pessoas só em França, as áreas agrícolas do norte da Europa podem assistir a uma redução das temperaturas de 1,6°C e uma queda ainda maior, de 2°C, no sul da Europa.

A agricultura por plantio directo tem sido frequentemente promovida por limitar a erosão e deixar os resíduos das colheitas nos campos, o que significa que o solo retém mais humidade. Isso reduz a evaporação, limitando o seu efeito de arrefecimento mas os dias mais quentes tendem a ser muito solarengos e claros, diz Seneviratne, logo o arrefecimento devido ao aumento da reflexividade sobrepõe-se qualquer efeito contrário devido à reduzida evaporação.

“É verdadeiramente surpreendente a dimensão do efeito que estimam”, diz David Lobell, ecologista agrícola na Universidade de Stanford na Califórnia. Durante situações de calor extremo, flutuações de apenas um ou dois graus podem ser “a diferença entre chato, perigoso ou desastroso”, diz ele. “Todos os graus contam."

Lobell salienta, no entanto, que em muitos locais a agricultura está concentrada longe dos centros populacionais: “A questão é em que grau este efeito é regional? Se é apenas local, quantas pessoas vivem nas áreas que serão afectadas?”

O próximo passo para Seneviratne é determinar a escala em que o plantio directo teria que ser aplicado para ter um efeito apreciável no clima. “Teríamos que ter uma área bastante grande pois o que descobrimos na simulação é que se trata essencialmente de um efeito local", diz ela.

 

 

Saber mais:

Indecisão relativamente a antigas áreas agrícolas soviéticas

Pastagens mais "verdes"

Fungos e raízes sequestram quantidade espantosa de carbono

Agricultura responsável por um terço das emissões globais de gases de efeito de estufa

Agricultura intensiva pode aliviar alterações climáticas

Mediterrâneo mais em risco de ondas de calor

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2014


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com