2014-05-20

Subject: Origem da doença de Kawasaki seguida até ao nordeste da China

 

Origem da doença de Kawasaki seguida até ao nordeste da China

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ Nature/Christian Kober/Robert Harding World Imagery/Corbis

A doença de Kawasaki, uma misteriosa e por vezes fatal doença infantil identificada pela primeira vez no Japão, foi seguida até às culturas agrícolas do nordeste da China, relatam os cientistas na última edição da revista Proceedings of the National Academy of Sciences.

A doença, uma inflamação dos vasos sanguíneos que afecta essencialmente crianças com menos de 5 anos, produz uma variedade de sintomas dramáticos, incluindo febre, alergias de pele e o que é descrito muito adequadamente como 'língua de morango'. Cerca de um quarto das crianças não tratadas também desenvolvem aneurismas nos vasos sanguíneos do coração que matam 1% delas imediatamente e podem posteriormente provocar ataques cardíacos nos sobreviventes.

A causa da doença é desconhecida apesar de quase meio século de pesquisa, ainda que um estudo anterior tenha sugerido que que esta podia ser um agente transportado pelo vento até ao Japão e daí através do Pacífico até aos Estados Unidos, a partir de uma origem algures na Ásia.

Agora os investigadores acreditam ter restringido ainda mais as origens da doença, às vastas terras agrícolas do nordeste da China, onde se plantam milho, arroz e trigo.

A equipa analisou os registos de infecção das 47 prefeituras japonesas para determinar o início e o pico das epidemias de doença de Kawasaki de 1979, 1982 e 1986, bem como os surtos sazonais entre 1987 e 2010. Seguidamente examinaram os padrões de vento antes e durante as epidemias em segmentos de 3 horas, procurando identificar o último lugar onde os ventos tinham abrandado significativamente antes de atingirem o Japão. A equipa suspeitava que isto identificasse a fonte da Kawasaki pois as massas de vento tendem a deixar cair as partículas de poeira ou de matéria orgânica (e a recolher novas) quando amainam.

Os investigadores também calcularam o tempo de incubação provável para a doença, 6 horas a 2,5 dias, mas provavelmente menos de 24 horas, comparando o tempo de chegada dos ventos da região de origem na China com o surgimento dos primeiros casos diagnosticados durante as várias epidemias.

O relativamente rápido surgimento da Kawasaki elimina uma causa viral, dizem os investigadores, pois o período de incubação para a maioria das infecções virais é várias horas mais longo. “O período de incubação sugere que devemos procurar numa direcção muito diferente”, diz a co-autora do estudo Jane Burns, investigadora pediátrica na Universidade da Califórnia, San Diego.

Em vez disso, Burns e os seus colegas suspeitam de uma toxina aerotransportada produzida por uma planta, fungo ou bactéria. Se uma toxina aerotransportada for realmente responsável, será a primeira doença conhecida a operar desta forma, diz Burns.

De forma intrigante, amostras de ar recolhidas pelos investigadores a partir de ventos que sopram do nordeste da China para o Japão continham uma inesperada quantidade de fungos do género Candida.

“Penso que há evidências de que a doença de Kawasaki se assemelha a outras doenças causadas por toxinas bacterianas”, diz Samuel Dominguez, especialista em doenças infecciosas pediátricas na Faculdade de Medicina da Universidade do Colorado em Aurora.

Mas David Battisti, cientista atmosférico na Universidade de Washington em Seattle, questiona se o nordeste da China é a região de origem do agente causador da Kawasaki. Ele salienta que os surtos da doença tendem a ocorrer no Japão durante o Inverno e início da Primavera, quando as colheitas no nordeste da China estão totalmente congeladas e os ventos não levantariam muitas partículas.

“É uma questão que permanece em aberto se a região de origem é o nordeste da China ou se poderá ser ainda mais para oeste", diz ele.

 

 

Saber mais:

Falta de sincronia entre microrganismo e Homem aumenta risco de cancro do estômago

Sistema imunitário débil dos bebés permite entrada de bactérias benéficas

Risco de pólio paira sobre a Europa

Comprimido de fezes impede infecções do intestino

Bactéria modificada destrói agentes patogénicos

Transplantes fecais bem sucedidos em testes clínicos

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2014


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com