2014-02-01

Subject: Como um tumor canino contagioso se tornou global

 

Como um tumor canino contagioso se tornou global

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ Nature/Genome Research Limited

A sequência genética de um cancro contagioso sugere que terá emergido numa raça antiga de cão há cerca de 11 mil anos e propagou-se a todo o globo por volta do tempo de Cristóvão Colombo.

O tumor venéreo transmissível canino (TVTC) tipicamente é transmitido sexualmente e surge como uma protuberância rosada ulcerosa nos órgãos genitais dos cães. “É o cancro mais antigo de sobrevivência contínua de que há conhecimento na natureza”, diz Elizabeth Murchison, bióloga do cancro no Instituto Wellcome Trust Sanger em Hinxton, Reino Unido, que descreve a sua sequência num artigo publicado na revista Science. “É uma coisa realmente espantosa que tenha conseguido espalhar-se por todo o mundo e sobreviver tanto tempo."

Os tumores são massas de células mutadas que desenvolveram formas de enganar o sistema imunitário e proliferam intocadas. Normalmente, estes truques não funcionam se as células são transplantadas para outro organismo, onde são rapidamente reconhecidas como estranhas e destruídas.

No entanto, em 1876 o veterinário russo M. A. Novinsky descobriu que conseguia transplantar tumores TVTC de um cão para outro. As suas células conseguiam escapar ao sistema imunitário do novo hospedeiro e continuar a crescer, um fenómeno anteriormente desconhecido no mundo da biologia do cancro. Apesar de tumores humanos terem sido transmitidos em transplantação de órgãos ou de mãe para feto, o único outro tumor contagioso de ocorrência natural conhecido é o do diabo da Tasmânia.

Uma vez um cancro contagioso como o TVTC comece a propagar-se, pode-se pensar nele como uma espécie de parasita que transporta consigo os genes mutados do cão, apesar de pequenas variações ocorrerem à medida que evolui com cada novo hospedeiro. Para compreender este processo evolutivo, Murchison seleccionou dois tumores para sequenciação que tiveram oportunidade de divergir o máximo de tempo: um de um cão aborígene do Território do Norte da Austrália e outro de um cocker spaniel americano do sul do Brasil.

Os investigadores usaram os genomas para reconstruir como teria sido o primeiro hospedeiro do TVTC. Estudos anteriores não conseguiram estabelecer se o TVTC tinha surgido em lobos ou em cães mas Murchison considera que terá aparecido numa raça antiga de cão, semelhante ao malamute do Alasca, de porte médio.

 

Os dois genomas tumorais revelaram-se espantosamente semelhantes e Murchison estima que o seu ancestral comum mais recente terá vivido há apenas 460 anos. Isto sugere que o TVTC permaneceu numa população isolada de cães a maior parte da sua história, até que algo aconteceu que lhe permitiu deslocar-se para outras populações caninas e espalhar-se pelo mundo. Bridgett vonHoldt, geneticista evolutiva que estuda cães na Universidade de Princeton em Nova Jersey, salienta que há 500 anos foi um período em que "os humanos estavam a manipular os cães e a fazer criação com objectivos definidos, seja para cães de colo ou para cães de caça".

O genoma de TVTC terá interesse para um leque muito vasto de biólogos do cancro. Ao contrário dos cancros típicos, que geralmente envolvem várias linhagens genéticas de células cancerosas em competição umas com as outras, cada célula dos tumores TVTC tem aproximadamente a mesma composição genética. 

O genoma tem um total de 1,9 milhões de mutações, um número astronómico quando comparado com os vários milhares que podem ser encontradas nos típicos cancros humanos ou com as 20 mil dos tumores faciais dos diabos da Tasmânia. Cerca de 42% das mutações do TVTC têm a assinatura da exposição aos raios ultravioletas, que provavelmente ocorre durante a transmissão ou quando os tumores transbordam da vagina ou do pénis.

“Estes tumores são mestres de sobrevivência, de sobrevivência e de capacidade de invasão novos tecidos”, diz Hannah Siddle, imunologista de tumores na Universidade de Southampton, Reino Unido, que estuda cancros contagiosos. “Podemos aprender muito com eles.”

 

 

Saber mais:

Genomas pré-históricos revelam origem europeia dos cães

Genética canina desencadeia controvérsia

Tigres asiáticos ameaçados por doença canina

Lobos são mais lógicos que os cães

Explicada variedade de pelagens dos cães

Cancro em animais grandes destrói-se a si próprio?

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2014


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com