2004-05-29

Subject: Sequenciação do primeiro cromossoma de chimpanzé intriga investigadores

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Sequenciação do primeiro cromossoma de chimpanzé intriga investigadores 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Qual é a diferença entre um chimpanzé e um ser humano? Pode ser muito mais do que os cientistas pensavam, de acordo com a primeira sequência detalhada de um cromossoma de chimpanzé. 

Já se sabia que perto de 98,5% dos pares de bases que compõem o nosso DNA são iguais aos dos chimpanzés. Assim, a velha ideia era que tudo o que nos diferenciava dos grandes símios, como as funções cognitivas altamente desenvolvidas, bipedismo e a utilização de linguagem complexa, deveriam estar nos restantes 1,5%. 

Os cientistas esperavam que isto significasse que alterações genéticas cruciais que tivessem permitido a evolução de tais características deveriam ser fáceis de detectar, mas as últimas evidências sugerem que a viagem de macaco a Homem deve ter sido bem mais complexa. 

Todd Taylor, da Riken Genomic Sciences Center em Yokohama, e colegas conseguiram ler a sequência de DNA do cromossoma 22 do chimpanzé e compará-la com a do seu homólogo humano, o cromossoma 21. Apesar do "rascunho" da sequência genómica do chimpanzé estar disponível desde Agosto de 2003, esta é a primeira vez que sequenciação suficientemente rigorosa de um cromossoma inteiro, com suficiente rigor para que se possa avaliar se as diferenças são reais ou se não passam de erros de procedimento. 

As sequências dos cromossomas 22 do chimpanzé e 21 do Homem são essencialmente equivalentes. Dos que os compõem, apenas 1,44% dos pares de bases são diferentes, pondo fim a um debate que provinha de estudos anteriores menos rigorosos. 

No entanto, os investigadores tiveram uma surpresa, pois como os chimpanzés e o Homem aparentam ser semelhantes, muitos assumiram que a maior parte das diferenças iriam ocorrer em zonas de DNA não codificante ou sem função aparente.  Mas tal não parece ser o caso, pois os investigadores revelaram que muitas das diferenças eram em genes funcionais. 83% dos 231 genes comparados tinham diferenças que afectavam a sequência de aminoácidos, e 20% tinham importantes alterações estruturais. 

Para além disso, existem perto de 68000 regiões que estavam a mais ou faltavam entre as duas sequências, correspondendo a cerca de 5% do cromossoma. Já sabíamos que éramos semelhantes aos chimpanzés a nível de DNA, refere Taylor, mas estamos a notar uma percentagem de mudança muito maior do que estávamos à espera. 

 

Os investigadores também estudaram o padrão de actividade dos genes, o que revelou que 20% deles mostrava diferenças significativas no seu padrão de actividade. 

O cromossoma 22 apenas corresponde a 1% do genoma, pelo que podem existir milhares de genes que diferem significativamente entre Homem e chimpanzé, refere Jean Weissenbach, do French National Sequencing Centre. Este facto pode tornar bem mais difícil para os cientistas descobrirem as alterações chave que nos tornam humanos. 

Ainda assim, Taylor e a sua equipa planeiam usar a sua sequência para detectar essas diferenças. Temos que descobrir quais as proteínas que têm um impacto funcional, diz Taylor. Os investigadores já identificaram dois genes, designados NCAM2 e GRIK1, em que as versões humanas contêm vastas secções que faltam no chimpanzé. Ambos os genes estão envolvidos nas funções neurais. 

A sequência do cromossoma 22 também aguçou o apetite dos investigadores pela sequenciação completa, que deve ser publicada na revista Nature ainda este ano. Esta pequena secção do genoma já é muito importante, refere Ajit Varki, biólogo molecular da Universidade da Califórnia, mas a sequência de todo o genoma será uma ferramenta insubstituível. 

Weissenbach ainda vai mais longe: é necessário comparar as sequências de todos os grandes símios. Precisamos do genoma do gorila a seguir, conclui. 

 

 

Saber mais:

Riken Genomics

National Human Genome Research Institute

Genoma mostra as diferenças entre Homem e chimpanzé

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com