2013-07-12

Subject: Tubarões batem com a cauda para atordoar presas

 

Tubarões batem com a cauda para atordoar presas

 

Dificuldades em visualizar este e-mail? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ Nature/Oliver, S., Turner, J. R., Gann, K., Silvosa, M. & Jackson, T. D.Os tubarões-raposo podem usar as suas barbatanas caudais compridas para bater nos cardumes de sardinhas, afastando-as do grupo, descobriram os investigadores durante filmagens subaquáticas.

Esse tipo de utilização táctica da barbatana caudal durante as caçadas, que apenas tinha sido observado em mamíferos, como golfinhos e orcas, até ao momento, pode indicar que os tubarões são mais inteligentes do que os cientistas pensavam.

Os tubarões-raposo pelágicos Alopias pelagicus são peixes nocturnos e notoriamente tímidos. Há muito que os investigadores suspeitavam que o tubarão usava a sua cauda, que tem metade do comprimento total do corpo, para atordoar as presas mas o comportamento não tinha sido documentado anteriormente em condições naturais.

Simon Oliver, investigador principal do Projecto de Investigação e Conservação do Tubarão-raposo, estudou os tubarões ao largo da costa de Cebu, uma ilha nas Filipinas. Oliver, sediado na Universidade de Liverpool, Reino Unido, tem vindo a observar os animais durante o dia desde 2005 mas não tinha visto os tubarões a caçar até que alguns mergulhadores o viram e lhe telefonaram. “Larguei tudo imediatamente e foi investigar", recorda ele.

Os tubarões caçam começando por mergulhar num cardume de peixes, de cauda bem levantada. De seguida, lançam a cauda num movimento tipo catapulta ao longo de um arco de 180o em apenas um terço de segundo, suficientemente rápido para simultaneamente atingir os peixes e criar uma onda de choque atordoadora (ver imagem acima). Cada golpe pode derrubar até sete sardinhas, logo Oliver pensa que é provavelmente a forma mais eficiente do ponto de vista energético para os animais caçarem. 

Oliver e a sua equipa publicaram os resultados na última edição da revista PLOS ONE.

A técnica de caça apenas foi agora observada, explica Oliver, pois a falta de alimento levou os tubarões a caçar perto da superfície durante o dia. Apesar da região do oceano estudada pela equipa de investigadores ser fracamente monitorizada, ele considera que os stocks de sarinha estão sob forte pressão devido à pesca comercial.

O oceanógrafo Nigel Hussey, da Universidade de Windsor no Ontário, Canadá, diz que o estudo realmente prova de forma convincente que os tubarões-raposo caçam usando as caudas: “Parece razoável pensar que a cauda enormemente alongada dos tubarões-raposo tenha evoluído para ajudar os tubarões a caçar desta forma."

 

"Se isso for verdade, então as pescas que reduzem a população de peixes de cardume, como as sardinhas, podem ser especialmente perigosas para esta espécie", considera ele. Mas alerta para o facto de os cientistas saberem muito pouco sobre o que mais os tubarões-raposo podem comer, salientando que esta pode não a ser a sua única táctica de caça.

Segundo Hussey, a descoberta mais interessante pode ser a constatação de que os tubarões-raposo podem ser mais inteligentes do que os biólogos pensavam. “As evidências disso estão a acumular-se. Decididamente, este trabalho mostra que os tubarões têm inteligência suficiente para desenvolver uma estratégia de caça relativamente sofisticada e eficaz."

No entanto, apesar de os predadores realmente se alimentarem em pequenos grupos, de forma semelhante à dos golfinhos, Oliver considera que pode ser ir longe de mais chamar a este comportamento cooperação social.

 

 

Saber mais:

Vídeo

Tubarões-limão aprendem observando-se uns aos outros

Tubarões criam e usam mapas mentais do seu território

Tubarões mediterrânicos são imigrantes australianos

Revelado segredo da forma dos tubarões-martelo

Tubarão branco filmado a caçar à noite

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org Pinterest simbiotica.org

 

Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  Subscrever | @ simbiotica.org, 2013


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com