2004-05-21

Subject: Genética pode ajudar a saúde canina

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Genética pode ajudar a saúde canina 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

O seu cão parece mais rafeiro que mastim? Então os geneticistas estão aí para ajudar a descobrir a linhagem do seu fiel amigo: foi desenvolvido um teste de DNA que ajuda a revelar a ancestralidade de qualquer cão e definir o seu pedigree com mais de 99% de certeza. 

Este teste pode ajudar os donos de rafeiros a descobrir que raças estão escondidas no seu cão, diz Elaine Ostrander, do Fred Hutchinson Cancer Research Centre, que trabalhou do desenvolvimento do teste. 

Para além de satisfazer a curiosidade dos donos, o teste também pode ajudar na saúde dos cães. Existem mais de 350 doenças hereditárias nas raças puras: os pastores alemães, por exemplo, sofrem geralmente de deslocamento das ancas e os Golden retrievers frequentemente apresentam cancro da medula. 

Saber que o seu cão tem uma predisposição genética para uma doença em particular significa que se podem tomar medidas preventivas, refere Ostrander. Os rafeiros com sangue de pastor alemão podem passar a ter uma dieta que promova o desenvolvimento muscular e os cães com tendência para o cancro podem ser vigiados mais de perto em busca de sintomas. 

O teste também deve beneficiar os donos de Staffordshire bull terriers, diz Jeff Sampson, coordenador do Canine Genetics Centre do Clube de canicultura do Reino Unido. Estes cães são frequentemente confundidos com os mais agressivos pit bull terriers, o que os pode levar a estar do lado errado da Lei dos animais perigosos. No Reino Unido, desde 1991 que é proibido manter um pit bull sem autorização especial do tribunal, pelo que o teste poderá evitar confusões, diz Sampson.

A equipa de Ostrander analisou o mapa genético de 414 cães de 85 raças diferentes, incluindo o border collie da autora, de nome Tess. Obtiveram 96 regiões marcadoras, que mostram nítidas diferenças entre as diferentes raças. Isto mostra-nos que as raças de cães são reais, considera Ostrander.

O estudo, publicado na revista Science, também lança alguma luz sobre a evolução das raças de cães. Mais de 400 raças diferentes foram descritas, das quais 152 são reconhecidas pelo American Kennel Club. Os investigadores utilizaram os seus resultados para construir uma árvore genealógica para os cães e o seu ancestral, o lobo. 

 

Apesar da maioria das raças ter emergido na Europa nas últimas centenas de anos, algumas surgiram na Ásia ou África há pelos menos 2000 anos, como por exemplo o Shar-Pei ou o pequinês. 

Surpreendentemente, algumas raças que se pensava serem muito antigas não são mais do que impostoras, como os galgos egípcios. Pensava-se que fossem descendentes directos dos cães imortalizados nas pedras das pirâmides há 5000 anos mas foram criados recentemente por mistura de outras raças. 

O estudo também revela que, com base na sua genética, os cães modernos se podem dividir em 3 categorias: os pastores, os caçadores e os guardas. No primeiro caso encontramos os collies e os cães pastores, na segunda os galgos e os terriers e na terceira os mastins e os bulldogs. As categorias deveram ter surgido no século XIX, quando os europeus criaram os primeiros clubes de canicultura.

 

 

Saber mais:

Desenvolvidos testes de personalidade para cães 

Cães podem ajudar a entender o genoma humano

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com