2003-10-18

Subject: Companhia alemã aposta na saliva de vampiro 

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do Boletim Informativo Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Companhia alemã aposta na saliva de vampiro 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Uma pequena e desconhecida companhia de biotecnologia, a Paion GmbH, revelou no seu site na Web que desenvolveu uma nova droga - desmoteplase - que parece melhorar a circulação sanguínea nas zonas danificadas do cérebro de pacientes que sofreram tromboses ou acidentes vasculares cerebrais (AVC). 

Após a fase 2 de testes realizados em 12 países, a nova droga foi igualmente considerada segura, pois causou sangramentos no cérebro em menos de 1/10 dos pacientes em que foi testada. Os derrames cerebrais são um efeito secundário extremamente grave, por vezes mortal, dos tratamentos para a eliminação de coágulos sanguíneos. 

Paion revelou que a droga era eficaz quando administrada até 9 horas após a trombose, ao contrário das usadas actualmente, um activador do plasminogénio tecidular, fabricado pela Genentech, e que necessita de ser tomado no máximo ao fim de 3 horas.

Morcego vampiro comumA desmoteplase é uma versão geneticamente modificada de uma proteína da saliva do morcego vampiro Desmodus rotundus, que lhe permite sugar sangue da sua presa sem que ocorra coagulação.

Uma trombose ocorre quando um coágulo sanguíneo corta o suprimento de sangue ao cérebro, pelo que os cientistas estão a investigar a composição da saliva de animais sugadores de sangue, como os morcegos vampiros, sanguessugas ou carraças, tentando descobrir drogas que dissolvam esses coágulos.

O efeito anticoagulante da desmoteplase é tão importante para o morcego como promete ser para o Homem. Desmodus rotundus é um pequeno morcego que se alimenta exclusivamente de sangue. Necessita de cerca de duas colheres de sopa desse fluido por dia para sobreviver, que obtém após furar a pele do gado com os seus dentes aguçados. A formação de coágulos impediria a refeição, que é bastante longa, até meia hora de cada vez. 

Paion tem uma outra droga em testes, chamada Pallidipin, derivada do insecto triatoma Triatoma pallidipennis, um importante transmissor da doença de Chagas, através da sua picada. Esta droga poderá vir a ser usada para prevenir novas tromboses, após o primeiro caso. 

 

 

 

Outras Notícias:

Morcegos: eternos proscritos

 

Os morcegos são um dos grupos de animais mais incompreendidos do mundo. 

Um dos argumentos preferidos para matar morcegos é o facto de transmitirem raiva. É facto que os morcegos podem contrair raiva, mas sofrem dos mesmos sintomas e morrem dela, como os cães ou os humanos, não sendo vectores imunes da doença. 

Estudos revelaram que a incidência de raiva nas populações selvagens de morcegos ronda 0,5%. Assim, as chances de encontrar um morcego com raiva são menores do que as de ser atingido por um raio ou mesmo de ganhar a lotaria.

 

Triatoma pallidipennis

 

Saber mais:   

Morcego vampiro ( Desmodus rotundus )

Acidente Vascular Cerebral

Doença de Chagas

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo?? 

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2003


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com