2012-08-22

Subject: Mínimo histórico para gelo marinho árctico

 

Mínimo histórico para gelo marinho árctico

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Newsletter não segue Acordo Ortográfico

@ BBC/NSIDCO gelo marinho árctico deverá atingir um mínimo histórico no final do mês, de acordo com os dados de satélite agora conhecidos.

Os cientistas do Centro Nacional de Dados de Neve e Gelo dos Estados Unidos referem que os os dados por eles obtidos mostram que a extensão de gelo segue a níveis inferiores ao anterior mínimo, estabelecido em 2007.

Os últimos números mostram que a 13 de Agosto o gelo cobria 483 mil quilómetros quadrados menos que o mínimo histórico anterior para a mesma data mas há cinco anos e espera-se que o degelo continue até meados ou fim de Setembro.

"Um novo recorde diário ... deverá ocorrer por volta do final de Agosto", refere o cientista principal do centro, Ted Scambos. "As probabilidades apontam para que se ultrapasse o recorde anterior enquanto o gelo ainda está a recuar."

A extensão do gelo marinho refere-se à medida da área de oceano Árctico que contém, pelo menos, algum gelo. Áreas com menos de 15% de gelo são consideradas pelos cientistas como marcando o limite do coberto de gelo marinho.

No seu último resumo, o centro menciona que a taxa média de perda de gelo desde Junho passado tem sido "rápida", com cerca de 100 mil quilómetros quadrados a derreter por dia. No entanto, também acrescenta que a taxa de perda duplicou durante alguns dias no início de Agosto durante uma grande tempestade.

Respondendo a esta última actualização, Seymour Laxon, professor de física climática no University College London, diz que não acha surpreendente que 2012 se prepare para estabelecer novo recorde mínimo. "Já estivemos muito perto desse recorde o ano passado e o Cryosat mostrou gelo mais fino no Inverno passado, logo parece-me que teremos novo recorde este ano."

 

O Cryosat é um RADAR nave espacial comandado pela Agência Espacial Europeia (ESA) que foi lançado em 2010 para ajudar a monitorizar as alterações na espessura e forma do gelo polar.

Laxon acrescenta que o projectado mínimo recorde deste ano pode resultar numa alteração das projecções do momento em que o Árctico fique livre de gelo nos meses de Verão.

O último relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, publicado em 2007, referia como data mais provável para o surgimento de um Árctico livre de gelo no Verão, e as definições desta situação variam um pouco, 2100", explica ele. "Quando se registou o recorde mínimo de 2007, essa data foi alterada para 2030 ou 2040. "O facto de parecer quase certo que iremos bater novo recorde de mínimo de coberto de gelo num espaço tão curto de tempo significa que os modeladores podem novamente ter que analisar o que as suas projecções lhes dizem."

O gelo marinho árctico tem um papel crucial na manutenção das regiões polares frias e ajuda a controlar o sistema climático global. Como tem uma superfície brilhante, o gelo reflecte cerca de 80% da luz do Sol que o atinge de volta para o espaço mas quando o gelo derrete, expõe mais superfície oceânica escura, resultando numa absorção de 90% da luz, o que aquecerá ainda mais o oceano Árctico. 

 

 

Saber mais:

NASA regista degelo sem precedentes na Groenlândia

Oceano Árctico já sente o calor

Narvais transmitem dados climáticos do oceano Árctico

Descoberta 'via rápida' oceânica para as alterações climáticas

 

Clique para ajudar!

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgGoogle + simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Partilhar Comentar |   Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2012


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com