2004-05-09

Subject: DNA "lixo" revela papel crucial 

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

DNA "lixo" revela papel crucial 

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Se pensava que todas as zonas importantes do genoma humano já tinham sido exploradas, estava enganado. Os cientistas estão confundidos em relação ao papel dos misteriosos segmentos de DNA que parecem essenciais à sobrevivência de virtualmente todos os vertebrados, mas cuja função é totalmente desconhecida. 

Os segmentos, designados elementos ultra-conservados, fazem parte de grandes zonas do genoma não codificantes. A sua presença junta mais evidências à importância destas áreas, muitas vezes consideradas depreciativamente DNA lixo, que podem ser mais cruciais do que se suspeitava. 

David Haussler, da Universidade da Califórnia, e a sua equipa analisaram sequências genéticas humanas, de rato e de ratazana, tendo encontrado mais de 480 regiões ultra-conservadas exactamente iguais nas 3 espécies. Quase caí da cadeira, diz Haussler, este grau de semelhança não é provável, por exemplo, as sequências do rato e do Homem são em média 85% semelhantes. 

Essas regiões são largamente semelhantes na galinha, cão e peixes também, mas estão ausentes das moscas da fruta e de invertebrados marinhos. O facto destas regiões terem sofrido tão pouco alteração em 400 M.a. de evolução desde que os peixes e o Homem  partilhavam um ancestral comum, implica que são essenciais à sobrevivência dos descendentes destes organismos. No entanto, os investigadores não conseguem perceber a sua função. 

O cenário mais provável é que controlem a actividade de genes indispensáveis. Perto de um quarto das sequências sobrepõem-se a genes e pode ser convertido em RNA, pelo que podem ajudar na maturação do RNA em diferentes moléculas funcionais, sugere Haussler. 

Outro conjunto de sequências pode controlar o crescimento embrionário, que decorre segundo um padrão espantosamente semelhante desde os peixes ao Homem. Um elemento ultra-conservado antes identificado, por exemplo, sabe-se que controla um gene envolvido no crescimento do cérebro e dos membros. 

 

Para resolver este mistério, os peritos prevêem uma série de estudos sobre os enigmáticos segmentos de DNA. As pessoas estão intrigadas com este estudo, explica Kelly Frazer, que estuda o genoma na Perlegen Sciences. 

Os geneticistas já têm conhecimento há anos de que existem regiões críticas de DNA, paras além dos conhecidos genes. Uma importante secção do genoma humano e de ratazana, fora das sequências codificantes, apresenta grandes semelhanças. 

No entanto, as regiões ultra-conservadas são particularmente invulgares pois são 100% idênticas no Homem e no rato. Até agora, alguns cientistas pensavam que esse resultado se devia a contaminação do DNA humano com DNA de rato, muitos tiveram grande dificuldade em acreditar nisto, diz Frazer. 

A presença de cópias exactas em animais diferentes sugere que mesmo alterações mínimas na sequência destes segmentos destroi a sua função, seja qual for, tendo sido eliminadas ao longo da evolução. O resto do DNA, pelo contrário, tendo a acumular mutações, pelo que estas regiões são muito diferentes nos vários organismos. 

Descobrir o que fazem os segmentos mistério será difícil, pois existem semelhanças entre várias regiões, não podendo ser usadas como pistas para a sua função. Um solução muito laboriosa será criar ratos geneticamente modificados sem cada um dos segmentos e observar as alterações de crescimento e comportamento. 

 

Caros amigos, o vírus Sasser fez das suas e impediu o envio do nosso boletim de ontem, espero que tudo esteja ultrapassado e não haja mais percalços!! 

 

 

Saber mais:

A journey into the genome- what's there

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com