2010-12-06

Subject: Colapso de florestas tropicais desencadeou evolução dos répteis

 

Colapso de florestas tropicais desencadeou evolução dos répteis

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ BBC

A fragmentação das florestas tropicais há 300 milhões de anos ajudou a abrir caminho para a ascensão dos dinossauros, sugere um novo estudo agora conhecido.

No período Carbonífero, a América do Norte e a Europa estava no equador e estavam cobertas de florestas tropicais húmidas. Pensa-se que o aquecimento global tenha causado o colapso destes habitats tropicais, desencadeando uma explosão evolutiva entre os répteis. 

O trabalho, realizado por uma equipa de investigadores ingleses, foi publicado na revista Geology.

As florestas tropicais que cobriram o antigo supercontinente da Laurásia são coloquialmente conhecidas pela alcunha 'florestas do carvão' pois foram elas as responsáveis pela acumulação de grande quantidade de material vegetal, que mais tarde foi convertido no carvão que é actualmente explorado.

Para o final do período Carbonífero, o clima da Terra ter-se-á tornado cada vez mais quente e seco. "As alterações climáticas levaram a que as florestas tropicais húmidas se fragmentassem em pequenas 'ilhas florestais'", explica o co-autor do estudo Howard Falcon-Lang, da Royal Holloway, Universidade de Londres. "Isso isolou populações de répteis e cada comunidade evoluiu em direcções separadas, levando a um aumento da diversidade."

Para chegar às suas conclusões, os cientistas estudaram o registo fóssil dos répteis antes e depois do colapso das florestas tropicais. Demonstraram que os répteis se tornaram mais diversificados e alteraram mesmo as suas dietas à medida que se tentavam adaptar a um ambiente e clima em rápida alteração.

Mike Benton, da Universidade de Bristol, comenta: "É uma resposta ecológica clássica à fragmentação do habitat. Estamos a assistir ao mesmo processo actualmente, quando um grupo de animais fica isolado da sua população-mãe. Tem sido bem estudado em 'ilhas' entre grandes sistemas viários ou, como Charles Darwin observou nas Galápagos, em ilhas oceânicas."

 

A sua colega de Bristol Sarda Sahney refere: "É fascinante que mesmo em face de um devastador colapso do ecossistema, os animais continuem a diversificar-se."

Os anfíbios parecem ter sido atingidos de forma muito mais forte pelo colapso das florestas tropicais. O relativo sucesso dos répteis pode ter sido devido a adaptações físicas em que estes diferem bastante dos anfíbios.

Dimetrodon @ SPL/BBCPrimeiro, os ovos de casca rija dos répteis podiam ser postos em terra seca (a maioria dos ovos dos anfíbios tem que ser posto na água), e segundo, os répteis têm escamas protectoras que os ajudam a manter a humidade (a pele dos anfíbios é muito permeável à água).

"Estas adaptações chave libertaram os répteis dos habitats aquáticos a que os anfíbios estavam restritos e deram-lhes uma vantagem ecológica nas zonas mais secas que se tornaram generalizadas", escrevem os investigadores no seu artigo da revista Geology.

 

 

Saber mais:

Geology

Excentricidades dos dentes à cauda

Descoberto nas Filipinas novo lagarto gigante

Associação entre extinção dos dinossauros e cratera confirmada

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com