2010-10-20

Subject: Sapos dos canaviais estão a evoluir para super-invasores

 

Sapos dos canaviais estão a evoluir para super-invasores

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ Ben Phillips/BBC

Os cientistas demonstraram um "efeito evolutivo descontrolado" que está a acelerar a invasão australiana dos sapos dos canaviais, o que explica a razão porque estes anfíbios aumentaram tão dramaticamente a sua taxa de disseminação, dizem os investigadores.

Os peritos descobriram que os sapos que vivem nos limites do seu território são "super-invasores", capazes de se deslocar para além das fronteiras do seu habitat existente. Quando esses sapos fronteiriços se reproduzem, a sua descendência herda esta capacidade para se deslocar rapidamente para novos territórios.

Este fenómeno, que os cientistas apelidaram de Efeito Aldeia Olímpica, já tinha sido proposto anteriormente, desde o momento em que estes mesmos cientistas observaram que os sapos na orla do território tinham patas anteriores maiores e patas traseiras mais fortes, perfeitos para melhor saltar e invadir novas áreas.

Neste estudo, os investigadores testaram o efeito, essencialmente criando uma corrida de sapos dos canaviais.

Ben Phillips, da Universidade James Cook de Queensland, Austrália, recolheu sapos dos canaviais de quatro populações diferentes. Capturou dez sapos do núcleo da população no norte de Queensland e outros dez de cada uma das três populações que estavam cada vez mais distantes desse ponto.

Levou os sapos para uma instalação localizada na adequadamente baptizada cidade de Middle Point (ponto médio) perto de Darwin, onde equipou cada animal com uma coleira-rádio e os libertou. As coleiras permitiram aos cientistas seguir o progresso dos sapos.

Tal como Phillips esperava, os sapos recolhidos das orlas do habitat deslocavam-se muito mais depressa. 

Para confirmar que esta maior força e velocidade tinham uma base genética e podiam ser características hereditárias, Phillips estudou ainda mais uma geração. Permitiu aos sapos da mesma população que se reproduzissem e desencadeou outra corrida com coleiras-rádio, desta vez entre os descendentes destas amostras criados em cativeiro.

 

Os sapos que tinham progenitores da orla do habitat ganharam a corrida de dispersão, revelando que tinham herdado a sua velocidade e força dos pais. "Isto são péssimas notícias", diz Phillips. "Significa que os sapos estão cada vez mais rápidos e melhores a invadir novas zonas."

Ainda pior, dizem os investigadores, é que provavelmente todas as invasões seguem este padrão. Eles explicam que os sapos dos canaviais mais rápidos também se reproduzem mais depressa, ainda que isto possa indicar uma falha na sua armadura biológica: "Eles têm que estar a fazer alguma cedência para o fazer, e uma das coisas que suspeitamos que estão a trocar é o seu sistema imunitário."

Dado que os sapos maiores e mais rápidos se propagam e reproduzem tão depressa, provavelmente deixam doenças endémicas e parasitas para trás pois sapos que se deslocam tão depressa devem estar livres de doenças.

Isso pode significar que eles e os seus descendentes têm menos imunidade natural e, se tal for o caso, isso pode ajudar os cientistas a descobrir algum tipo de defesa biológica contra eles. "Se reintroduzirmos esses parasitas na orla do habitat, talvez possamos abrandar a invasão", diz Phillips.

Ele e os seus colegas planeiam estudar os sapos dos canaviais em mais detalhe para identificar alguns destes pontos fracos biológicos.

Os sapos dos canaviais foram introduzidos na Austrália em 1935, na zona tropical de Queensland, para controlar as pragas da cana de açúcar. Não só não o fizeram, como entraram directamente para o top 100 das espécies invasoras da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) e o seu habitat já se estende pela maior parte de Queensland e Território do Norte australiano. "Não há dúvida que são das piores espécies invasoras", diz Phillips. "Estão a dar-se muito bem, temos que lhes reconhecer o mérito nesse aspecto."

O estudo foi publicado na última edição da revista Journal of Evolutionary Biology.

 

 

Saber mais:

Sapos invasores têm artrite

Mudança de sexo dizima espécies invasoras

Sapos dos canaviais avançam pela Austrália

Serpentes australianas adaptam-se a sapo venenoso

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com