2010-08-07

Subject: Cultura geneticamente modificada escapa para a natureza

 

Cultura geneticamente modificada escapa para a natureza

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ NatureUma cultura geneticamente modificada (GM) foi encontrada florescente na natureza nos Estados Unidos pela primeira vez.

A colza transgénica está a crescer livremente em vastas áreas do Dakota do Norte, relatam investigadores na Conferência da Sociedade Americana de Ecologia que decorre em Pittsburgh, Pennsylvania. Os cientistas por trás da descoberta consideram que este facto salienta a falta de adequada monitorização e controlo das culturas GM nos Estados Unidos.

Os agricultores aumentaram dramaticamente a sua utilização de culturas GM desde que as plantas foram introduzidas pela primeira vez no início da década de 90. No ano passado, perto de metade das culturas transgénicas do mundo foram cultivadas em solo americano e no Brasil, o segundo maior cultivador transgénico, houve uma subida de 16%. 

As culturas GM libertaram-se dos terrenos agrícolas em vários países, incluindo Canadá, Reino Unido e Japão mas ainda não tinham sido encontradas em terras não cultivadas nos Estados Unidos.

"A extensão desta fuga é sem precedentes", diz Cynthia Sagers, ecologista na Universidade do Arkansas em Fayetteville, que liderou a equipa de investigação que encontrou a colza Brassica napus.

Sagers encontrou duas variedades de colza transgénica na natureza, uma modificada para ser resistente ao herbicida Roundup da Monsanto (glifosato) e outra resistente ao herbicida Liberty da Bayer Crop Science (glufosinato). A sua equipa também descobriu que algumas plantas eram resistentes a ambos os herbicidas, mostrando que diferentes plantas GM se tinham cruzado para produzir uma planta com uma característica nova, que não existia em mais lado nenhum.

Sagers refere que descobertas anteriores de populações de colza transgénica a crescer naturalmente, sem cultivo, noutros países, eram quase sempre localizadas perto de campos usados na produção da colza transgénica. Pelo contrário, a sua equipa descobriu populações selvagens de colza resistente aos herbicidas a crescer ao longo de estradas, perto de bombas de gasolina e mercearias, frequentemente a grande distância de zonas de produção agrícola.

Os investigadores recolheram amostras de plantas com 8 Km de intervalo ao longo de estradas no Dakota do Norte entre 4 de Junho e 23 de Julho de 2010. O número de plantas B. napus em cada amostra era contado e uma planta era recolhida e testada para a presença de proteínas que conferem resistência a qualquer dos herbicidas.

A equipa descobriu B. napus em perto de metade dos 288 locais testados. Destes, 80% tinham pelo menos um dos transgenes de resistência a herbicidas (41% eram resistentes ao Roundup e 40% resistentes ao Liberty). Também descobriram que duas das plantas continham ambos os transgenes.

Sagers diz que a descoberta de plantas resistentes a ambos os herbicidas mostra que "estas populações selvagens de colza fazem parte da paisagem há várias gerações". É preciso realizar mais estudos para estabelecer ser estas plantas de colza GM que escaparam têm consequências ecológicas mas aquelas que desenvolveram resistência a ambos os herbicidas podem tornar-se um problema de infestação para os agricultores, acrescenta ela.

 

"Os protocolos regulatórios concebidos para reduzir ou impedir a fuga e proliferação de culturas transgénicas selvagens não são eficazes. O seguimento e monitorização dos organismos GM que temos actualmente são insuficientes", diz ela. Sagers culpa o atraso na descoberta destas populações fugitivas de plantas transgénicas nos Estados Unidos largamente na falta de financiamento para investigação nesta área.

Tom Nickson, chefe de política ambiental da Monsanto em St Louis, Missouri, comentou que "os que estão familiarizados com a colza sabem que estas plantas se encontram regularmente à beira da estrada e em zonas perto de quintas. Isso já era verdade antes da introdução da colza GM e uma fonte vulgar de sementes é a sua dispersão durante a colheita e transporte em camião."

Sagers concorda que as populações selvagens se podem ter estabelecido ao cair dos camiões de transporte de sementes de colza GM cultivadas. Ela salienta que a frequência e densidade populacional da colza GM que encontraram pode estar deturpada pelo facto de apenas terem recolhido amostras ao longo das estradas.

Alison Snow, ecologista da Universidade Estatal do Ohio em Columbus, diz que não é surpreendente que plantas transgénicas fugitivas tenham sido agora encontradas nos Estados Unidos, dado que isso já tinha acontecido noutros locais.

As populações fugitivas "podem ser um problema se estivermos preocupados com a utilização de herbicidas", diz ela. Uma das grandes vantagens das culturas resistentes aos herbicidas é que se podem utilizar herbicidas generalistas, reduzindo o número de aplicações mas se as culturas transgénicas escaparem e se reproduzirem com ervas daninhas aparentadas, então a vantagem pode ser erodida e terão que ser usados mais e diferentes herbicidas.

 

 

Saber mais:

Culturas transgénicas transformam pequenas pragas em grandes problemas

Culturas geneticamente modificadas para agricultura mais sustentável?

Pragas podem ultrapassar toxinas GM do algodão

Culturas geneticamente modificadas aumentam 9,4%

Europa e OGM - tempo de decisões

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com