2004-04-18

Subject: Insectos: fonte de alimentos do futuro?

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Insectos: fonte de alimentos do futuro?

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Apenas cerca de 800000 dos milhões de espécies de insectos foram descritas e apenas 1500 fazem regularmente parte da dieta humana, onde se incluem as cícadas. Hordas destes pequenos insectos negros com asas transparentes são esperadas em Maio, ao longo de toda a costa leste dos Estados Unidos. 

Na Tailândia, os mercados ao ar livre vendem insectos ao quilo, desde bichos da seda a gafanhotos. Os cinemas da América do sul vendem formigas assadas em vez de pipocas e os supermercados japoneses têm larvas de insectos aquáticos nas prateleiras. 

Nos Estados Unidos, no entanto, os insectos são comidos mais pelo efeito choque que pelo seu verdadeiro valor nutricional, em programas como Survivor ou Fear Factor, enquanto os espectadores se contorcem enojados. Mas o que muitos desses espectadores não sabem é que têm mais em comum com esses concorrentes desses concursos do que gostariam de ter. 

O humano médio come, sem se aperceber, cerca de meio quilo de insectos por ano, diz Lisa Monachelli, directora de programas infantis da New Canaan Nature Center. Insectos do tipo das cochonilas dão a cor vermelha ou rosada a alimentos, batons e bebidas. A U.S. Food and Drug Administration (FDA) também permite um certo nível de impurezas nos alimentos, desde que não representem riscos para a saúde, pelo que alimentos como o chocolate podem ter até 60 fragmentos de insectos por cada 100 gramas. 

Se actualmente a ingestão de insectos é acidental, no futuro pode não o ser, pois com a crescente pressão sobre os recursos naturais, os insectos poderão passar a ser criados como fonte de proteínas alternativa muito em breve. David George Gordon, biólogo e autor do livro The Eat-a-Bug Cookbook, considera a entomofagia uma prática amiga do ambiente. É necessária uma quantidade espantosa de alimento, água e terras para a criação de gado, explica, o que não se verifica para a produção de uma quantidade equivalente de proteína em gafanhotos. 

 

Muitos americanos já não têm tantos problemas com o comer insectos, graças aos 12 festivais sobre insectos que se realizam anualmente, como o Bug Bowl da Purdue University, em Indiana, onde as pessoas se podem deliciar com grilos cobertos de chocolate ou assistir a corridas de baratas. 

As cícadas também são um petisco apetecido, especialmente se capturadas de noite, quando emergem dos seus buracos no chão, antes que a carapaça endureça. De seguida devem ser cozidas durante um minuto, após o que se tem o sabor de espargos, dizem os entendidos. Também podem ser salteadas com manteiga e alho para um delicioso aperitivo. 

Mas o insecto mais saboroso é, diz-se, a lagarta da cera Galleria mellonella, frequentemente considerada uma praga pelos apicultores pois devoram a cera e o mel das colmeias. 

O Typhoon, em Santa Mónica, Califórnia, é um dos poucos restaurantes americanos que serve este tipo de refeição, tendo começado em 1990 com grilos fritos à moda de Taiwan. São uma delícia com uma cervejinha gelada, explica o dono Brian Vidor. Desde então, mais 4 pratos foram incluídos no menu, entre os quais estão os escorpiões fritos sobre tostas de camarão e formigas com salada de batata. 

 

 

Saber mais:

Cicada Invasion- Eastern U.S. Braces for Bug Swarm

David George Gordon

Typhoon Restaurant

The Bug Bowl

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com