2010-06-29

Subject: Cangurus com braços curtos e pernas longas

 

Cangurus com braços curtos e pernas longas

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Female kangaroo and joey

Por quê que os cangurus têm os braços tão pequenos? Os cientistas agora pensam saber a resposta, ajudando a explicar a razão destes marsupiais de forma invulgar terem braços minúsculos e pernas enormes.

Os cangurus têm membros anteriores pequenos porque os braços curtos são necessários para a sobrevivência no interior da bolsa da mãe logo depois de nascerem, confirma uma análise agora conhecida.

Esta necessidade de gatinhar numa idade tão precoce restringiu a evolução do corpo dos marsupiais, conduzindo aos animais que actualmente conhecemos, dizem os cientistas. A investigação também fornece pistas intrigantes sobre a razão porque não existem marsupiais com barbatanas ou asas e foi publicada na revista Australian Journal of Zoology.

Comparados com os mamíferos placentários, os marsupiais como os cangurus nascem numa fase muito inicial do desenvolvimento fetal. Uma vez nascidos, imediatamente têm que trepar e gatinhar até à bolsa materna, onde encontram uma mama, com a ajuda dos seus invulgarmente bem desenvolvidos membros anteriores.

"Ocorreu-me que este tipo de estratégia de nascimento pode ter restringido a diversificação evolutiva das formas do membro anterior", diz Jim Cooper, da Universidade de Siracusa, Nova Iorque. "A ideia é que dado que precisam dos membros anteriores para trepar através da barriga da mãe logo ao nascimento, acabam 'encalhados' com esta forma de membro para o resto da vida."

Esta ideia não é propriamente nova, tendo sido proposta pela primeira vez já na década de 70 mas as predições da chamada "hipótese do constrangimento" nunca tinham sido testadas. Assim, Cooper trabalhou com Scott Steppan, da Universidade Estatal da Florida, em Tallahassee, para conceber um estudo que o fizesse.

Usando esqueletos de uma vasta gama de mamíferos de várias colecções científicas e de museus, os investigadores mediram e compararam as diferentes formas corporais e mapearam a diversidade de proporções dos membros marsupiais e placentários.

 

O estudo revelou que a evolução dos membros anteriores dos marsupiais foi realmente constrangida quando comparada com a dos placentários.

"Os nossos resultados mostram um enorme apoio à existência de um constrangimento muito poderoso à evolução dos membros dos marsupiais", diz Cooper. "Sabemos agora que a forma do membro anterior dos marsupiais tem vindo a evoluir a uma taxa muito inferior à da do seu grupo irmão, os placentários. Se não conseguirem gatinhar, não sobrevivem, logo a importância de membros anteriores bons para trepar ultrapassa a importância de membros anteriores bons para correr."

Os investigadores também explicaram a razão porque os cangurus têm membros posteriores tão longos.

"Também sabemos que a taxa de evolução da forma do membro posterior não foi mais lenta entre os marsupiais." Isto acontece porque o desenvolvimento dos membros posteriores não está constrangido pela vida no marsúpio: podem crescer para permitir aos cangurus saltar velozmente, compensando a falta de membros anteriores eficazes que pudessem ser usados para correr sobre quatro patas.

A hipótese do constrangimento também pode explicar a razão porque os marsupiais nunca passaram à água ou ao ar, pois os seus membros anteriores não podem evoluir para estruturas capazes de nadar ou voar.

"Este conceito tem implicações profundas na resposta a questões como 'por que é que não existem morcegos ou baleias marsupiais?'", diz Cooper. "Não se vêem marsupiais que nadem com barbatanas, ainda que esta útil adaptação tenha evoluído três vezes nos mamíferos placentários. Quanto mais forte o apoio a esta hipótese, mais certezas temos que podemos explicar a raiz deste importante padrão evolutivo." 

 

 

Saber mais:

Jim Cooper

Homem dizimou os gigantes australianos

Genes de canguru podem ajudar na produção de leite

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com