2010-06-10

Subject: Misterioso declínio global das cobras

 

Misterioso declínio global das cobras 

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ BBCAs cobras podem estar em declínio por todo o mundo, revela um estudo global.

Os investigadores examinaram os registos de 17 populações de cobras de oito espécies ao longo das últimas décadas, tendo descoberto que a maioria tinham declinado de forma acentuada.

Por razões que não são completamente claras, algumas populações sofreram uma quebra abrupta por volta de 1998. Escrevendo na revista Biology Letters, os investigadores descrevem as descobertas como "alarmantes" mas consideram necessários outros trabalhos para que se possa compreender as causas da situação.

"Esta foi a primeira vez que os dados foram analisados desta forma e o que demonstrámos é que em diferentes partes do mundo parece que estamos a assistir a este declínio acentuado num período muito curto de tempo", diz o líder do projecto Chris Reading. "Surpreendeu-nos quando percebemos o que tínhamos à frente e não temos a menor ideia do que se passou por volta desse período de tempo [por volta de 1998]."

A equipa de Reading no Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido realizou o estudo em conjunto com várias instituições australianas, francesas, italianas e nigerianas.

O principal problema para todos os que pretendiam conduzir uma análise global como esta é simplesmente a falta de dados.

A monitorização das populações de cobras implica a marcação dos indivíduos de alguma forma, tipicamente recortando um padrão característico nas suas escamas ou implantando um microchip. As estações de estudos de campo, para além disso, podem durar muitos meses e têm que ser repetidas anualmente.

Os investigadores acreditam que recolheram a maioria, se não todas, as bases de dados a longo prazo para este estudo, ainda que "longo prazo" neste contexto signifique recuar mais de uma década, em alguns casos mais de duas.

Ainda assim, neste espaço de tempo relativamente curto, oito das dezassete populações parecem ter tido uma queda marcada em dimensão, algumas em mais de 90%, com apenas uma a revelar algum aumento. Espécies em declínio incluem a víbora e a cobra-lisa europeias, a víbora do Gabão e a víbora-rinoceronte da África ocidental e a pitão-real.

 

As populações reduziram-se mesmo em áreas protegidas, sugerindo que a perda progressiva de habitat para os animais selvagens que se tem observado em todo mundo não será a única causa desta situação.

Declínios acentuados semelhantes foram observados em rãs e salamandras num período anterior e eventualmente veio-se a descobrir que foram causados por uma doença fúngica.

O ano em que muitas das populações de cobras começaram a diminuir, 1998, coloca a questão do possível envolvimento de factores climáticos, da mesma forma que fortes condições El Nino contribuíram para o tornar o ano mais quente de que há registo nos tempos modernos.

@ BBCO grupo de investigadores de Reading sugere que muitas causas podem estar envolvidas e apela a outros investigadores a que avancem com outras bases de dados a longo prazo que possam tornar esta imagem mais nítida.

"O objectivo deste artigo foi dizer 'encontrámos isto' e dizer a outros herpetólogos 'agora vão e olhem para os vossos próprios dados'. Mas acho que com tantas populações em diferentes locais a revelar estes declínios não se pode tratar de coincidência." 

 

 

Saber mais:

Lagartos sucumbem a alterações climáticas

Compreendido sistema de detecção por infravermelhos das cobras

Cobras usam escamas para deslizar

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com