2010-05-27

Subject: Restrições à pesca podem levar a capturas mais lucrativas

 

Restrições à pesca podem levar a capturas mais lucrativas

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ blogecologist.comEncerrar zonas de pesca e regulamentar a utilização do equipamento de pesca pode resultar em capturas mais lucrativas que aumentem o rendimento dos pescadores, revela um novo estudo.

A conclusão surgiu de uma investigação a longo prazo no Quénia sobre os efeitos do encerramento da pesca sobre os lucros dos pescadores. O estudo, publicado na última edição da revista Conservation Biology, usou dados sobre 27 mil peixes capturados em três localizações ao largo da costa queniana ao longo de um período de 12 anos.

Uma localização estava perto de uma zona em que a pesca tinha sido encerrada, outra longe dessa zona mas com restrições sobre a utilização de redes flutuantes e outra longe de qualquer restrição.

A pesca perto da zona de pesca encerrada revelou capturas superiores de peixes com maior valor de mercado e a proibição das redes flutuantes também se revelou benéfica para o rendimento dos pescadores, mostrou o estudo.

"A resistência por parte dos pescadores e da indústria pesqueira a encerramentos e a restrição na utilização de certas artes de pesca baseia-se largamente na percepção de que essas opções são uma ameaça aos lucros", diz Tim McClanahan, conservacionista na Wildlife Conservation Society, que realizou o estudo. "Estas descobertas desafiam essa percepção ao mostrar que as espécies valiosas e os peixes de maior dimensão atingem as zonas activas através das zonas encerradas, que se tornam um benefício directo para os pescadores."

Craig Leisher, conselheiro da Nature Conservancy, uma organização conservacionista americana, comentou: "Ajuda os pescadores encerrar uma zona porque os peixes têm hipótese de crescer mais e sabemos que os adultos maiores reproduzem-se mais." Segundo ele, o estudo foi invulgar porque diferencia os efeitos do encerramento das pescas dos de outro tipo de iniciativa.

 

Segundo Leisher, a resistência ao encerramento das pescas devia-se, em parte, a questões semânticas: "Nós chamamos-lhes zonas de regeneração porque a designação revela claramente o seu objectivo, não se trata de dizer apenas 'não podes pescar aqui'. Dessa forma muito mais apoio dos governos locais."

"O próximo passo para os decisores é pensar sobre onde podemos usar esta ferramenta com provas dadas no Quénia e noutros locais ao largo da costa africana", diz Leisher. "Precisamos de começar a olhar em volta para identificar localizações onde mais destas zonas de regeneração podem ser criadas."

Steve Hall, director-geral do WorldFish Center, uma organização sem fins lucrativos com objectivo de reduzir a pobreza melhorando as pescas com sede em Penang, Malásia, refere que ainda que os benefícios a longo prazo das zonas de encerramento das pescas sejam agora claros, a questão central para muitos países em desenvolvimento é saber quem vai colher esses mesmos benefícios e quanto tempo os pescadores terão que esperar para os ver.

 

 

Saber mais:

População de atum do Pacífico pode colapsar a qualquer momento

Europa não pode manter as suas promessas sobre pescas

Raia pode ser pescada até à extinção

Pesca no fim da linha

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com