2010-05-05

Subject: Governos mundiais falham meta de conservação da biodiversidade para 2010

 

Governos mundiais falham meta de conservação da biodiversidade para 2010 

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ CiênciaHojeOs líderes mundiais não cumpriram os compromissos feitos em 2002 para reduzir o ritmo de perda global de biodiversidade até 2010. É este o resultado de um novo artigo publicado na conceituada revista «Science» que representa a primeira avaliação de como as metas traçadas na Convenção sobre a Diversidade Biológica (CDB) de 2002 não foram alcançadas.

Compilando mais de 30 indicadores – medidas de diferentes aspectos da biodiversidade, incluindo alterações nas populações e risco de extinção das espécies, extensão do habitat e composição das comunidades – o estudo não encontrou qualquer evidência de uma redução significativa da taxa de declínio da biodiversidade, e conclui que as pressões que a biodiversidade enfrenta continuam a aumentar. A síntese traz provas esmagadoras de que a meta para 2010 não foi atingida.

“A nossa análise mostra que os governos falharam no cumprimento dos compromissos que fizeram em 2002: a perda de biodiversidade continua mais rápida do que nunca, e fizemos poucos progressos em reduzir as pressões sobre espécies, habitats e ecossistemas”, disse Stuart Butchart, da Birdlife e do Centro de Monitorização para a Conservação Mundial do Programa das Nações Unidas para o Ambiente, e principal autor do artigo

“Os nossos dados mostram que 2010 não será o ano em que a perda da diversidade foi travada, mas tem que ser o ano em que começamos a encarar o problema de forma séria e aumentamos substancialmente os nossos esforços para cuidar do que resta do nosso planeta.”

Os indicadores incluídos no estudo foram desenvolvidos e sintetizados pela Parceria para Indicadores de Biodiversidade 2010 – uma colaboração de mais de 40 organizações e agências internacionais, que desenvolve indicadores de biodiversidade globais e é líder como fonte de informação sobre tendências da biodiversidade global.

“Desde 1970, reduzimos em 30 por cento as populações animais, em 20 por cento a área de mangais e erva marinha e em 40 por cento a cobertura de corais vivos”, disse o cientista-chefe do programa das Nações Unidas para o Ambiente, Joseph Alcamo. “Estas perdas são claramente insustentáveis, uma vez que a biodiversidade contribui de forma chave para o desenvolvimento sustentável, como reconhecido nos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio da ONU.”

 

Os resultados deste estudo enquadram-se no Panorama de Biodiversidade Global 3, publicação emblemática da CBD que será tornada pública em Nairobi a 10 de Maio, data em que representantes governamentais de todo o mundo irão reunir-se para discutir a meta para 2010 e como lidar com a crise de biodiversidade.

“Embora as nações tenham posto em prática algumas políticas significativas para desacelerar os declínios de biodiversidade, estas políticas têm sido lamentavelmente inadequadas, e o fosso entre as pressões sobre a biodiversidade e as respostas está a ficar cada vez mais largo,” disse o Butchart.

O estudo reconheceu que houve alguns sucessos importantes a nível local e nacional no combate à perda de biodiversidade, nos quais se incluem a designação de muitas áreas protegidas (por exemplo o Parque Nacional de Juruena, no Brasil, com 20 mil quilómetros quadrados), a recuperação de determinadas espécies (por exemplo o Bisonte Europeu) e a prevenção de algumas extinções (por exemplo o Pernilongo da Nova Zelândia).

Mas apesar destes sucessos encorajadores, os esforços para combater a perda de biodiversidade têm de ser substancialmente fortalecidos, e é essencial um investimento sustentado na monitorização e nos indicadores de biodiversidade, para acompanhar e melhorar a eficácia destas respostas.

“Embora muitas respostas tenham ido na direcção certa, as políticas relevantes têm sido inadequadamente dirigidas, implementadas e financiadas. Acima de tudo, a preocupação com a biodiversidade tem de ser integrada em todos os aspectos do governo e dos negócios, e o valor económico da biodiversidade tem de ser adequadamente tido em conta nas tomadas de decisão. Só assim conseguiremos enfrentar o problema,” disse Ahmed Djoghlaf, secretário executivo da Convenção para a Diversidade Biológica.

 

 

Saber mais:

Homem extingue espécies mais depressa que evolução as cria

Biodiversidade - longe da vista, longe do coração

Perda de biodiversidade é importante e há que saber comunicá-lo às pessoas

Conversações sobre biodiversidade têm início

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com