2004-04-11

Subject: Garras revelam ameaça à sobrevivência do lobo

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Garras revelam ameaça à sobrevivência do lobo

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

Os lobos com um dedo extra nas patas traseiras são o resultado de cruzamento com cães, confirmaram cientistas em Itália. A recuperação dos canídeos selvagens pode ser muito dificultada pelos cruzamentos com cães domésticos, pelo que estes novos dados têm importantes implicações a nível conservacionista. 

Estas "garras de leite" não são mais do que dedos polegares não desenvolvidos e são comuns nos cães domésticos mas pensa-se que já ausentes nos lobos. Assim, são um bom método para identificar híbridos na natureza, referem os investigadores, permitindo avaliar a escala de cruzamentos com cães. 

Os programas de recuperação das populações em declínio de lobos e cães selvagens podem estar ameaçados se estas pequenas populações forem inundadas por um influxo de genes de cão doméstico. 

Investigadores da Universita di Roma e do Instituto Nazionale per la Fauna Selvatica analisaram 18 micro-satélites marcadores no DNA de 3 lobos com "garra de leite" da zona central de Itália. Descobriram que os lobos cinzentos Canis lupus com garra de leite apresentavam alelos únicos dos cães, sugerindo que a garra de leite não surgiu por mutação espontânea mas por hibridação com cães. 

Tenho realizado estudos de lobos na América do Norte, Itália e noutros locais e até agora nunca tinha encontrado um animal com garra de leite. Sempre nos ensinaram que os lobos apenas apresentam 4 garras nas patas posteriores, explica o co-autor do estudo Paolo Ciucci, da Universita di Roma "La Spaienza". 

O professor Rolf Peterson, da Michigan Technological University, refere ainda: este conhecimento é de uma enorme utilidade pois pode tornar-se muito difícil identificar os híbridos. Não conheço nenhum outro método de campo assim tão claro. 

O professor Peterson considera que a hibridação com cães tem causado muitos problemas nos primeiros estádios de programas de recuperação de lobos na América do Norte. Recentemente, tentativas de reintrodução de lobos na Alemanha foram complicadas pela descoberta de híbridos na descendência. 

 

As garras de leite podem também ser um indicador útil para a detecção de hibridação com raças domésticas em outros canídeos selvagens. Quando os coiotes vieram para New England, há cerca de 30 anos, hibridavam com cães e ensinaram-nos que uma das características dos híbridos eram as garras de leite nas patas posteriores, refere o professor L. David Mech, da University of Minnesota. 

No entanto, é pouco provável que todos os híbridos tenham garras de leite, pelo que outros sinais de hibridação ainda não conhecidos devem estar presentes. 

Os 3 lobos com garra de leite eram provenientes da zona central da Tuscânia, na província de Siena. Ciucci considera que as condições para a hibridação podem ser favoráveis nesta área, mesmo nos limites da distribuição dos lobos em Itália. Existe na zona uma elevada densidade de cães pastores e de guarda e uma densidade de lobos muito baixa, pois a alta taxa de ocupação humana leva a perseguições. 

Nestas condições, supomos que a estrutura social da matilha seja corrompida frequentemente, criando condições favoráveis à hibridação. Para termos uma maior certeza iremos vigiar todas as situações na zona, conclui Ciucci. 

Estima-se que existam entre 500 e 600 lobos em toda a Itália, mas estes números podem variar significativamente, refere Ciucci, embora os animais tenham protecção legal total. 

 

 

Saber mais:

Campaign for Europe's carnivores

Mapa de ataques de lobos ajuda a evitar perigo

Surto de raiva ameaça lobo da Etiópia

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com