2010-02-10

Subject: Variante genética responsável por envelhecimento

 

Variante genética responsável por envelhecimento

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ Ciência HojeUm grupo de cientistas anunciou que conseguiu identificar, pela primeira vez, a variante definitiva associada ao envelhecimento biológico dos humanos. 

A equipa analisou mais de 500 mil variações genéticas de todo o genoma humano para identificar as que estão mais próximas do gene TERC.

O estudo foi publicado na revista Nature Genetics, por investigadores da Universidade de Leicester e do King’s College London (Reino Unido), em conjunto com a Universidade de Groningen, na Holanda e foi levado a cabo pelo The Wellcome Trust e pelo British Heart Foundation.

Nilesh Samani, docente de Cardiologia do British Heart Foundation, na Universidade de Leicester, e do Departamento de Ciências Cardiovasculares, que co-liderou o projecto, explicou que existem dois tipos de envelhecimento – o cronológico que se define pela idade e o biológico, cujas células de alguns indivíduos podem ser mais envelhecidas ou mais novas do que a idade deles poderia sugerir.

“Existem cada vez mais evidências de que o risco de desenvolver doenças associadas com a idade, incluindo problemas cardiovasculares e alguns tipos de cancro, está ligados à idade biológica e não à cronológica”, assinalou.

O investigador acrescentou que, para tal, começaram a estudaram estruturas chamadas de telómeros – constituídas por fileiras repetitivas de proteínas e DNA não codificante que formam as extremidades dos cromossomas. “Alguns indivíduos já nasceram com telómeros com um determinado comprimento e em muitas das células, estes minguam à medida que as células se dividem e envelhecem. Os telómeros são, por isso, considerados um marcador do envelhecimento biológico".

No estudo, verificou-se que os indivíduos que possuem esta variante genética particular têm menores telómeros e parecem biologicamente mais velhos. Dada a associação, o tamanho reduzido de telómeros pode significar uma maior apetência para doenças do envelhecimento. Sendo assim, a descoberta levanta como questão se indivíduos que tenham esta variante podem correr mais risco de desenvolver estas doenças.

 

Tim Spector, docente do King’s College London e director do Twins UK study, e co-autor deste projecto, acrescentou que “a variante identificada está muito próxima do gene TERC – já conhecido por desempenhar um papel importante na manutenção do comprimento de telómeros. 

O estudo sugere que algumas pessoas estão geneticamente programadas para envelhecerem mais depressa. O efeito é considerável em quem tem esta variante, e pode envelhecer biologicamente entre mais três ou quatro anos, tendo em conta a perda de telómeros”.

Em alternativa, pessoas geneticamente susceptíveis a desenvolver esta variante podem envelhecer mais rapidamente se forem expostas a ‘maus ambientes’ para os telómeros, como tabagismo, obesidade e falta de exercício físico – acabando biologicamente mais velhos ou por sucumbir mais facilmente a doenças relacionadas com a idade.

 

 

Saber mais:

Prémio Nobel para cromossomas

Um comprimido para vida mais longa?

Envelhecimento reduz a imaginação

Telómeros - mais do que protectores

Núcleos celulares enrugados podem fazer-nos envelhecer

Segredo do envelhecimento precoce descoberto

 

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com