2010-01-29

Subject: Penas fósseis revelam as verdadeiras cores dos dinossauros

 

Penas fósseis revelam as verdadeiras cores dos dinossauros

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Sinosauropteryx @ NaturePenas fósseis de dinossauro praticamente intocadas recolhidas na China vieram dar as primeiras pistas acerca da coloração exterior destes animais.

Uma equipa de paleontólogos liderada por Michael Benton, da Universidade de Bristol, e Zhonghe Zhou, do Instituto de Paleontologia de Vertebrados e Paleoantropologia de Pequim, recuperou sacos de pigmentos ancestrais de penas fossilizadas recolhidas em Jehol, nordeste da China. As penas têm mais de 100 milhões de anos.

Estes organitos repletos de pigmentos, conhecidos por melanossomas, apenas tinham sido encontrados em penas fossilizadas de aves até agora.

A equipa descobriu os melanossomas em fósseis da subordem Theropoda, o ramo da árvore genealógica dos dinossauros a que pertencem as espécies carnívoras dos géneros Velociraptor e Tyrannosaurus. No entanto, não foi em nenhum destes dinossauros emblemáticos que os organitos foram descobertos mas numa espécie menor e com o corpo coberto de pequenas penas ou cerdas.

melanosomas em penas fósseis @ NatureA equipa descobriu dois tipos de melanossoma no interior da estrutura das penas do fóssil: organitos em forma de bastonete chamados eumelanossomas, que ainda podem ser observados actualmente nas riscas negras das zebras e nas penas negras dos capuzes dos cardinais, e organitos esféricos chamados feomelanossomas, que fabricam e armazenam o pigmento que origina as tonalidades avermelhadas dos falcões de cauda vermelha e o cabelo humano ruivo.

A equipa não encontrou as estruturas ou maquinaria celulares responsáveis por outras cores, como os amarelos, púrpuras ou azuis. Sugerem, no entanto, que as células do dinossauro podem ter produzido pigmentos como carotenóides e porfirinas mas que as proteínas que os compõem se degradam mais rapidamente que os organitos, não deixando vestígios nos fósseis. Os melanossomas, pelo contrário, são uma parte integral da estrutura proteica rígida da pena logo conseguem sobreviver mais tempo.

"Dizemos sempre aos nossos estudantes de introdução à Paleontologia que coisas como o som e a cor nunca poderão ser detectadas no registo fóssil", diz Benton. "Obviamente temos que reconsiderar essa mensagem."

Fósseis de um dinossauro terópode, o Sinosauropteryx, revelam que tinha riscas com penas escuras e claras ao longo da cauda. A equipa descobriu que as penas das regiões mais mais escuras da cauda tinham imensos faemelanossomas, indicando que tinham uma cor laranja afogueada. As riscas mais claras podem ter sido brancas, diz Benton, mas como alguns pigmentos se degradam e não deixam assinatura fóssil, é difícil ter a certeza.

O Sinosauropteryx não era a única espécie emplumada colorida. Outra espécie de terópode de pequena dimensão, o Sinornithosaurus, tinha pequenos filamentos tipo pena dominados por eumelanossomas ou por feomelanossomas, dando a entender que as suas penas individuais variavam em coloração entre o preto e o laranja afogueado.

 

Muitas questões têm sido colocadas acerca das estruturas que foram encontradas nos primeiros dinossauros emplumados como o Sinosauropteryx. Alguns paleontólogos defendem que estas estruturas tipo cerda são na realidade tecido conjuntivo fossilizado e não penas primordiais.

No entanto, diz Benton, nas aves modernas, que evoluíram a partir de dinossauros terópodes, os melanossomas apenas se encontram nas penas em desenvolvimento e não no tecido conjuntivo. O facto de os melanossomas nas penas dos dinossauros também serem encontradas no interior das próprias cerdas decide o debate, diz ele.

"Este artigo põe os pregos no caixão dos argumentos que contrariam a natureza de penas destas estruturas", concorda Luis Chiappe, paleontólogo do Museu de História Natural de Los Angeles County, Califórnia.

Sinosauropteryx fóssil @ Nature"É profundamente gratificante que esta descoberta de cor nos esteja a permitir concordar finalmente que as estruturas encontradas no Sinosauropteryx são realmente penas primordiais", diz o ornitólogo evolutivo Richard Prum, da Universidade de Yale em New Haven, Connecticut. "Agora podemos continuar a estudar a sua evolução."

Para além disso, a descoberta da cor nas penas primordiais também pode alterar o maior debate sobre dinossauros, para quê que as penas eram usadas.

As minúsculas cerdas presentes nos primeiros emplumados não podiam ter sido usadas para o voo, como alguns sugeriram, pois não forneceriam sustentação mas podem ter servido como isolantes ou para exibição.

"Está, quanto a mim, cada vez mais provável que estes dinossauros estivessem a fazer uma afirmação visual", diz Benton. "Qual era a afirmação não sabemos mas não se tem uma cauda às riscas laranjas e brancas para nada." 

 

 

Saber mais:

The Dinosauria

Descoberto na China fóssil de dinossáurio com quatro asas cobertas de penas

Dedos de dinossauro mostram como as aves ganharam asas

Descoberto novo dinossauro emplumado

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com