2010-01-22

Subject: Mamíferos flutuaram até Madagáscar

 

Mamíferos flutuaram até Madagáscar

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ PAOs ancestrais dos actuais mamíferos que se encontram em Madagáscar podem ter sido transportados em jangadas de vegetação vindas de África, diz um estudo recente.

Os investigadores modelaram as correntes oceânicas antigas e descobriram que as condições estavam presentes no mesmo período em que os mamíferos chegaram à ilha.

A ideia das 'jangadas' emergiu pela primeira vez em 1940 mas alguns defendiam a existência de uma "ponte continental" que permitiu aos animais caminhar até à zona. As descobertas foram publicadas online na revista Nature.

Madagáscar, a quarta maior ilha da Terra, é considerada um ponto quente de biodiversidade do mundo. Devido ao isolamento, a maioria dos seus mamíferos, aves e muitas das suas plantas são únicas no planeta.

Acredita-se que os primeiros mamíferos surgiram na ilha há cerca de 60 milhões de anos, 100 milhões de anos depois da massa de terra se ter separado de África. Isso levou à emergência de duas hipóteses principais sobre a forma como os mamíferos vieram habitar a ilha: via ponte continental e vegetação flutuante.

Usando um modelo climático do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC), o co-autor Matthew Huber, criador de modelos paleoclimáticos na Universidade Purdue no Indiana, adaptou-o para lançar luz sobre o passado.

"Já fazia estas simulações há muito tempo e o autor principal do artigo (Jason Ali, da Universidade de Hong Kong) pediu-me para analisar a região de Madagáscar porque pensava que as correntes oceânicas eram diferentes na altura. Analisei e, tal como ele dizia, as correntes oceânicas corriam na direcção oposta à actual, principalmente porque tanto Madagáscar como África estavam 15º mais a sul."

Isso significa que os 430 km do Canal de Moçambique que separam as duas massas de terra se localizava num giro (corrente oceânica circular), o que teve um impacto importante na direcção e força das correntes no canal.

Huber disse que o modelo mostra que esta situação fornece as condições certas para permitir aos mamíferos serem transportados através do canal.

"O que o modelo sugere é que ocasionalmente, digamos um mês em 100 anos, as correntes foram fortes o suficiente para permitir que a jangada, por exemplo um tronco grande com uma família de lémures, fizesse a viagem em cerca de três semanas. Biólogos e paleontólogos dizem que as jangadas de vegetação são a única forma sensata para este tipo de dispersão acontecer mas as correntes têm sido um problema, pois com as actuais a viagem é impossível."

 

Em resultado, vários cientistas preferiam a hipótese da ponte continental mas a teoria obrigava a "alteração radical do modo de ver a tectónica de placas da região", explica Huber. "O que fizemos foi resolver este mistério dizendo que as correntes eram diferentes no passado, o que torna a situação possível, ainda que pouco provável."

A ideia dos mamíferos serem transportados em jangadas de vegetação foi apresentada pela primeira vez em 1940 pelo investigador americano George Simpson. Ele desenvolveu a hipótese devido à biodiversidade de Madagáscar ser única, sem a megafauna clássica, como elefantes, leões e zebras.

Se os animais tivessem Madagáscar pela ponte continental, Simpson defende que os grandes mamíferos também teriam feito a viagem. Ele acrescenta que o encaixe entre as correntes e a chegada dos novos mamíferos a Madagáscar era "bastante boa".

É compreendido que o ancestral comum aos actuais lémures chegou a Madagáscar há 60 a 50 milhões de anos, as marmotas há cerca de 42 a 25 milhões de anos e os roedores há 24 a 20 milhões de anos. "Há cerca de 20 milhões de anos o fluxo de espécies parou", observa Huber. "Quando olhei para as minhas simulações para há 20 milhões de anos, as correntes ficaram iguais às actuais."

Ele explica que a alteração na direcção do actual canal de Moçambique foi o resultado do lento movimento para norte de África e de Madagáscar, o que significa que a influência do giro do oceano Antárctico foi gradualmente enfraquecido e a rota das jangadas foi fechada.

 

 

Saber mais:

A subida às árvores dos nossos ancestrais

Análises genéticas revelam três novas espécies de lémure em Madagáscar

Descobertos novos lémures em Madagáscar

Um quarto dos primatas enfrenta a extinção

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com