2010-01-07

Subject: Pegadas fósseis revelam os mais antigos a caminhar em terra firme

 

Pegadas fósseis revelam os mais antigos a caminhar em terra firme

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Fossil trackway (Per Ahlberg et al)

As evidências mais antigas da animais de quatro patas a caminhar em terra firme foram encontradas no sudeste da Polónia, onde as rochas de uma pedreira já encerrada registam as pegadas de animais desconhecidos que viveram há 397 milhões de anos.

Os cientistas escreveram na revista Nature que as marcas fósseis mantêm mesmo o contorno dos dedos das patas dos animais. A equipa considera que a descoberta significa que os vertebrados terrestres surgiram milhões de anos antes do que antes se estimava.

"Este local forneceu o que considero serem alguns dos fósseis mais entusiasmantes que já encontrei na minha carreira de paleontólogo", comentou o membro da equipa Per Ahlberg, da Universidade de Uppsala, Suécia. "São fósseis de pegadas que nos dão o registo mais antigo da forma como os nossos ancestrais muito distantes se deslocaram para fora de água e deram os primeiros passos."

Numerosos trilhos de pegadas foram identificados na pedreira Zachelmie nas montanhas da Cruz Sagrada, representando os movimentos de muitos animais que se deslocavam no que seria uma costa tropical lamacenta em meados do período Devónico. 

Lajes de rochas carbonatadas estão pintalgadas de pegadas de uma variedade de tamanho e detalhe. Algumas marcas são obscurecidas pelo facto de sucessivos animais passarem pelo mesmo local mas outras mantêm os detalhes de características detalhadas das plantas e dedos das patas que as fizeram.

Os animais provavelmente seriam semelhantes a crocodilos em aparência e viviam uma existência do tipo anfíbio, ainda que estas formas de animais não tivessem surgido senão muitos milhões de anos depois. A dimensão das pegadas sugere que alguns dos animais tinham mais de dois metros de comprimento.

Per Ahlberg et alA equipa científica polaca e sueca analisou os padrões das pegadas para reconstruir a forma como os antigos animais moveriam as articulações das ancas, cotovelos e joelhos, o que confirmou que apenas verdadeiros tetrápodes podiam ter deixado as marcas.

A teoria defende que os primeiros animais terrestres evoluíram a partir de peixes com barbatanas pares lobadas mas o momento preciso desta transição tem sido um campo de estudo muito dinâmico em anos recentes. A assumpção dos paleontólogos tinha sido que teria havido uma transição rápida mas em etapas da água para a terra.

 

Talvez o fóssil mais notável desta história seja um animal chamado Tikaalik roseae, um animal que tinha características intermédias entre peixes e tetrápodes, mas o Tiktaalik viveu há cerca de 375 milhões de anos e, apesar de haver fósseis de transição ligeiramente mais antigos, os tetrápodes da pedreira Zachelmie quebram uma linha temporal simples e clara.

"A descoberta de pegadas indubitáveis do período inicial do Eifeliano, ou seja de há 379 milhões de anos, empurra a divergência entre peixes e vertebrados de quatro patas em cerca de 18 milhões de anos, senão mais", comentou Philippe Janvier, do Museu Nacional de História Natural de Paris.

"Suspeito que agora podemos empurrar a divergência para trás até ao Emsiano, talvez há 400 milhões de anos, o que é surpreendente mas é o que o registo fóssil nos diz", continua o investigador independente.

Outra surpresa chave desta investigação é o reconhecimento de que estes tetrápodes viviam em ambiente marinho, talvez uma lagoa de coral. A origem preferida até à data para a emergência dos tetrápodes tinham sido os ambiente pantanosos, como os deltas ou lagos, dominados por água doce.

A equipa por trás desta última pesquisa considera que a nova explicação faz sentido porque permitiria aos ancestrais marinhos dos tetrápodes adquirir gradualmente competências mantendo o acesso a um novo e essencialmente intocado recurso, os alimentos trazidos pelas marés para as praias.

"Num ambiente intertidal, temos um smorgasbord servido duas vezes por dia", explica Ahlberg. "De todas as vezes que a maré baixa, deixa para trás uma linha de animais mortos ou moribundos. Tudo isto estava à disposição dos vertebrados, os nossos ancestrais, que emergiram da água e os recolheram."

Detailed prints (Per Ahlberg et al)

 

 

Saber mais:

Nature

Fóssil revela salto da água para terra firme

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.orgClique para deixar de subscrever esta newsletter

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2010


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com