2009-11-07

Subject: Megaprojecto solar ambiciona fornecer 15% da energia europeia

 

Megaprojecto solar ambiciona fornecer 15% da energia europeia

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Um gigantesco projecto solar no deserto do Sara foi anunciado na Alemanha por um consórcio de 12 empresas. O objectivo é satisfazer 15% das necessidades de energia da Europa em 2050.

Chama-se Desertec Industrial Initiative, foi anunciado ontem em Munique por um consórcio liderado por empresas alemãs e tem a ambição de ser uma alternativa renovável à dependência da Europa do gás natural fornecido pela Rússia.

Para isso pretende satisfazer 15% das necessidades energéticas europeias em 2050 através de uma vasta rede de centrais solares no deserto do Sara.

A rede vai estender-se ao Norte de África e Médio Oriente e o consórcio - a que pertencem empresas como a Siemens, o Deutsche Bank, a RWE e a E.On - espera começar a fornecer electricidade à Europa em 2015.

Está previsto um financiamento inicial da UE da ordem dos mil milhões de euros, segundo o Ministério dos Negócios Estrangeiros alemão, mas o investimento global no projecto envolve cerca de 267 mil milhões de euros.

A primeira etapa do projecto será a construção de um complexo de grandes centrais no Norte de África com a tecnologia de energia solar de concentração (CSP ou concentrated solar power), que utiliza centenas de espelhos parabólicos para focar os raios solares em contentores de água. O calor transforma a água em vapor, que põe turbinas em movimento a gerar electricidade 24 horas por dia.

O potencial de produção de electricidade do Sara é enorme. Os cientistas dizem que se apenas 3% da superfície deste deserto fosse coberta por centrais de energia solar, seria gerada electricidade suficiente para satisfazer as necessidades de consumo de todo o Mundo!

Segundo o Centro Aeroespacial Alemão, dentro de 40 anos as centrais a instalar no âmbito deste projecto poderiam produzir mais de metade das necessidades em electricidade da Europa, Norte de África e Médio Oriente. Mas está prevista também a construção de parques eólicos.

O projecto conta com o apoio explícito do governo alemão, do presidente francês, Nicholas Sarkozy, e do presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso.

 

Mas há críticos em relação à iniciativa que argumentam que, com o desenvolvimento tecnológico, será mais barato e mais eficiente gerar energia de forma descentralizada instalando directamente painéis solares nos telhados das casas dos europeus, do que recorrer a sistemas centralizados e distantes dos consumidores.

Com efeito, o transporte de electricidade do deserto do Sara para a Europa implica a construção de uma nova rede de alta tensão que obrigará a investimentos muito avultados da parte do consórcio promotor da Desertec Industrial Initiative. E o preço actual da electricidade solar de origem térmica é uma das barreiras à produção em larga escala, porque é bastante mais cara que a electricidade gerada pelos combustíveis fósseis.

Por outro lado, o problema da segurança do abastecimento de energia à Europa não será resolvido, já que o Desertec e a nova rede de alta tensão vão atravessar países politicamente instáveis e o Velho Continente continuará dependente de países terceiros para as suas necessidades energéticas, tal como hoje acontece com o petróleo e o gás natural.

 

 

Saber mais:

Acordo climático pouco provável este ano?

União Europeia deve chegar a acordo sobre negociações climáticas

Aerossóis tornam o metano mais potente

 

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com