2009-10-29

Subject: Comércio de pele de tigre na China exposto

 

Comércio de pele de tigre na China exposto

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Uma investigação infiltrada revelou o comércio continuado de pele de tigre na China. Filmagens dissimuladas feitas pela Environment Investigation Agency mostram comerciantes a vender peles de tigre e de outros animais ameaçados de extinção, como os leopardos das neves. As peles são vendidas como artigos de luxo e usadas para decoração e roupas.

O grupo ambientalista publicou a sua investigação há alguns dias, antes de uma cimeira internacional sobre a conservação deste felino a decorrer em Kathmandu, Nepal.

A compra e venda de pele e partes do corpo de grandes felinos é ilegal na China mas uma equipa da Environmental Investigation Agency (EIA), sediada em Londres e Washington DC, diz que a sua investigação revela que o comércio de partes destes animais ainda ocorre em muitos locais do país, incluindo no Tibete.

Entre 25 de Julho e 19 de Agosto de 2009 a EIA desenvolveu investigações em mercados de cinco cidades no oeste da China. Em apenas 21 dias a equipa recebeu ofertas de quatro peles completas de tigre, 12 peles de leopardo, 11 peles de leopardo das neves e duas de leopardo das nuvens, bem como dos respectivos ossos e dentes.

"Na realidade é muito significativo", diz o porta-voz da EIA Alasdair Cameron. "O mais interessante é que o mercado mudou. Antes o mercado procurava peles para a comunidade tibetana mas esse praticamente entrou em colapso. O que estamos a ver agora são as peles a ser compradas para decoração e taxidermia para homens de negócios chineses."

"As pessoas agora estão a comprar as peles pelo prestígio. As peles são muito caras, cerca de 20 mil dólares americanos cada", explica Cameron. "Também nos disseram que as peles estão a ser usadas como subornos não financeiros na China, logo a procura está a aumentar fora do Tibete."

A EIA diz que os animais estão a ser contrabandeados para a China a partir de vários locais, incluindo Tibete, Índia, Nepal, Paquistão e Afeganistão. 

A equipa capturou o comércio ilegal em filme através de uma câmara escondida, enquanto perguntavam sobre peles de animais para vender. O que os surpreendeu foi a facilidade em encontrar e comprar produtos de animais ameaçados de extinção.

 

"Há alguma aplicação da lei na China, mas também há zonas enormes do país onde o comércio é permitido quase sem qualquer receio de detecção", diz Cameron. "Alguns locais onde estivemos tinham as peles expostas abertamente em montras por onde os carros da polícia passavam."

Debbie Banks, activista principal da EIA, acredita que não é suficiente o que está a ser feito pelas autoridades chinesas para combater este comércio. "Se a China consegue colocar um homem no espaço, também consegue fazer mais para salvar os tigres selvagens."

A 27 de Outubro vai ter início uma cimeira em Kathmandu, Nepal, para discutir a melhor forma de salvar os tigres selvagens da extinção. A Kathmandu Global Tiger Workshop vai juntar peritos em tigres e organizações conservacionistas de todo o mundo para avançar nos esforços de protecção deste animal, especialmente agora que estamos a chegar ao ano do tigre no calendário chinês, que será 2010.

No entanto, Cameron tem sentimentos contraditórios em relação ao próximo ano do tigre. "Temos esperança de usar o ano do tigre como uma forma de salientar as ameaças que o animal enfrenta mas os comerciantes chineses dizem que o próximo ano vai ser em grande pois as pessoas vão querer um pedaço do tigre no ano do tigre. Pode, na realidade, haver um aumento da procura." 

 

 

Saber mais:

Environmental Investigation Agency

Kathmandu Global Tiger Workshop

 

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com