2009-10-28

Subject: Lobos envelhecidos perdem capacidade de matar

 

Lobos envelhecidos perdem capacidade de matar

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Wolves hunting elk

Os lobos velhos perdem a capacidade de matar, dizem os investigadores que descobriram que o envelhecimento afecta a capacidade dos lobos para caçar e modera o seu impacto sobre as presas.

A descoberta ajuda a responder a uma questão que tem interessado a muitos: será que o envelhecimento tem impacto nas capacidades atléticas dos animais tal como acontece com os humanos?

Ainda que pareça óbvio que assim devia ser, muitos biólogos eminentes e investigadores têm vindo a assumir o contrário. Eles defendem que a maioria dos animais tem tendência a morrer antes de o peso da idade começar a diminuí-los.

Os investigadores examinaram a forma como o envelhecimento afecta a capacidade dos lobos selvagens Canis lupus com idades compreendidas entre um e oito anos de atacar veados-vermelhos Cervus elaphus nas pradarias da zona norte do Parque Nacional de Yellowstone, no noroeste dos Estados Unidos.

Em particular, os investigadores mediram a forma como a idade influencia a capacidade dos lobos para executar três tarefas de caça: atacar, seleccionar e matar.

O desempenho predatório dos lobos, verificaram eles, declina com a idade, para além de um número superior de lobos mais velhos ter o número de veados-vermelhos mortos inferior.

O estudo foi publicado esta semana na revista Ecology Letters.

Os lobos selvagens vivem tipicamente até aos oito anos, pelo que, neste estudo, se considerou que os animais estavam a envelhecer após os três anos de idade.

"Apesar do efeito do envelhecimento sobre o desempenho físico dos humanos ser bem conhecido, os efeitos do envelhecimento em populações animais selvagens têm sido controversos", explica Daniel MacNulty, da Universidade Técnica do Michigan em Houghton.

 

"Muitos biólogos eminentes têm defendido que o envelhecimento raramente acontece na natureza, pois os animais não sobrevivem tempo suficiente para exibir os seus efeitos." 

"O meu estudo refuta esta noção, para além de demonstrar que o envelhecimento pode ter consequências ecológicas em termos da forma como uma população selvagem utiliza o seu ambiente", diz ele.

MacNulty refere que o estudo realizado pela sua equipa é o primeiro a mostrar de que forma a estrutura etária de uma população selvagem de predadores não explorada flutua e como isso modera o impacto dos predadores sobre as presas.

A descoberta sugere que a idade é um factor importante, ainda que negligenciado, na dinâmica das comunidades animais.

"Os ecologistas assumem tipicamente, e erradamente, que a estrutura etária das populações selvagens é estável. Esta situação é análoga do impacto do envelhecimento da força de trabalho na produção económica de muitos países industrializados", diz MacNulty. "O envelhecimento dos lobos individuais parece limitar a produção predatória da população total de lobos."

De seguida ele espera examinar de que forma a idade pode ter impacto sobre a dinâmica predador-presa ao longo do tempo, bem como a forma como doenças, caça e outros factores podem afectar a idade dos lobos sobreviventes e indirectamente causar impacto na dinâmica lobo-veado. 

 

 

Saber mais:

Predatory senescence in ageing wolves - Ecology Letters

 

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com