2009-10-17

Subject: Greenpeace quer castigar pesca em águas profundas

 

Greenpeace quer castigar pesca em águas profundas

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

A associação ambientalista Greenpeace começa hoje uma campanha de sensibilização contra a pesca em águas profundas, uma actividade que quer ver proibida pelo Governo português e condenada pelos consumidores na hora de escolher o peixe nos supermercados.

"Aos consumidores estamos a pedir para que peçam ao retalho para retirar as espécies de peixe de profundidade, especificamente do alto mar, das suas prateleiras", disse à Lusa a coordenadora da campanha de oceanos da Greenpeace em Portugal, Lanka Horstink.

A Greenpeace apela ainda aos retalhistas para adoptarem uma política de compra e venda sustentável de peixe e ao Governo que adopte as medidas contidas numa resolução internacional aprovada em 2006 e que contou com o apoio de Portugal.

Cerca de dez organizações não-governamentais nacionais, como a Quercus, a Geota ou a Liga para a Protecção da Natureza, juntam-se à campanha da Greenpeace e pedem também ao Governo português que adopte medidas concretas contra a destruição dos ecossistemas marinhos prejudicados pela pesca de profundidade em alto mar.

Portugal é o oitavo país do mundo mais envolvido na pesca de profundidade em alto mar e, dentro da União Europeia, Portugal, França e Espanha são os países com maiores frotas de pescas de profundidade em águas internacionais, segundo a Greenpeace.

A associação ambientalista afirma que por causa da pesca em grande profundidade, sobretudo a pesca de arrasto, está em causa a manutenção de espécies como o peixe-espada negro, o alabote da Gronelândia, o tamboril e os tubarões de profundidade.

No entanto, esta posição não tem a total concordância da investigadora Margarida Castro da Universidade do Algarve, convidada e juntar à apresentação da campanha, que decorreu esta sexta-feira em Lisboa.

 

"Estes peixes que são aqui referenciados também existem nas plataformas continentais [espaços marítimos mais próximos da costa, ainda fora das águas profundas e internacionais]. Há várias destas espécies que são pescadas legalmente e com controlo nas plataformas continentais, como o próprio peixe-espada preto", disse a investigadora.

Assim, Margarida Castro defende que o que é preciso salvaguardar é o recurso a artes de pesca tradicionais e não destrutivas, acrescentando que a pesca por arrasto não tem qualquer justificação económica.

"O arrasto em águas profundas e as pescas feitas em águas internacionais sem qualquer controlo não devem continuar, porque não tem justificação. O que se tira dessa pesca é tão pouco que não faz sentido continuá-la", disse.

A Greenpeace arrancou sexta-feira com a campanha "SOS Oceanos em Perigo - Roadtour europeia da Greenpeace em Portugal", estando prevista a passagem por oito cidades portuguesas de Norte a Sul com actividades de sensibilização para a importância da preservação dos frágeis ecossistemas marinhos que existem nas águas de grande profundidade.

A campanha passará por Almada (hoje, sábado 17 de Outubro), Setúbal (segunda-feira), Faro (21 de Outubro), Coimbra (dia 24), Aveiro (26), Gaia (28) e Porto (29).

 

 

Saber mais:

Comunicado conjunto de ONGA preocupadas com o estado actual de protecção dos ecossistemas do mar profundo

 

 

 

Twitter simbiotica.orgFacebook simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com