2009-09-29

Subject: Cromossomas sexuais associados à evolução de novas espécies

 

Cromossomas sexuais associados à evolução de novas espécies

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ NatureExperiências com peixes esgana-gata Gasterosteus aculeatus aculeatus demonstraram pela primeira vez que a evolução de novos cromossomas sexuais é a força condutora por trás da formação de novas espécies de vertebrados.

Até agora, a maior parte das evidências tinham mostrado que as novas espécies surgiam por adaptação a novos ambientes mas um estudo a ser publicado na revista Nature descobriu que a emergência de novos cromossomas sexuais levou à divergência dos esgana-gata do mar do Japão em relação aos seus ancestrais do Pacífico Gasterosteus aculeatus, originando uma nova espécie.

Jun Kitano, biólogo evolutivo na Universidade de Tohoku, Japão, descobriu que o esgana-gata do mar do Japão tinham cromossomas sexuais diferentes do dos seus ancestrais. O cromossoma sexual Y dos machos tinha-se fundido com um cromossoma somático para criar um novo cromossoma sexual nos esgana-gata do mar do Japão.

A equipa também observou que os machos do mar do Japão também tinham comportamentos de acasalamento mais agressivos que as populações ancestrais. As fêmeas da população ancestral evitam acasalar com os peixes do mar do Japão precisamente devido ao seu comportamento mais agressivo e, em testes laboratoriais, a descendência masculina resultante dos cruzamentos entre as duas populações é estéril.

O estudo descobriu que o gene responsável pelo comportamento de acasalamento agressivo dos machos do mar de Japão estava localizado no novo cromossoma Y. Os novos comportamentos de acasalamento associados aos novos cromossomas impedem o cruzamento entre as duas populações, tornando a população do mar do Japão uma nova espécie.

"Há um gene no novo cromossoma sexual que causa diferenças no comportamento de acasalamento nos machos de esgana-gata. Este comportamento leva à evolução de uma nova espécie de esgana-gata", diz Catherine Peichel, bióloga molecular do Centro de Investigação sobre o Cancro Fred Hutchinson de Seattle, Washington, e membro da equipa de investigadores que publicou o estudo.

 

Ole Seehausen, ecologista de peixes e evolucionista no Instituto Suíço de Ciência e Tecnologia Aquática de Dübendorf, diz que o estudo é "espantoso". "Este é o primeiro estudo que mostrou uma associação directa entre a evolução dos cromossomas sexuais em vertebrados e a evolução de novas espécies."

Peichel diz que não se sabe muito acerca dos motores da evolução de novos cromossomas sexuais. Os cientistas colocaram a hipótese de que o conflito entre os sexos pode estar por trás da situação. Se as espécies transportam genes que podem ser vantajosos para os machos mas deletérios para as fêmeas, então a selecção natural irá conduzir esses genes para a parte do genoma que se manifesta nos machos mas não nas fêmeas. "Um bom local para estarem é mesmo ao lado do gene que determina o sexo", diz Peichel.

No entanto, o estudo ainda não respondeu a se o conflito entre os sexos conduz à evolução de novos cromossomas sexuais. "Eles não provam que haja conflito sexual sobre a característica que estudaram, ou seja, que seja vantajosa para os machos mas não para as fêmeas", diz Seehausen.

 

 

 

Saber mais:

Rato de patas brancas é novo ícone da evolução

Genes que conduzem a especiação

Leveduras revelam selecção sexual em acção

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com