2009-09-22

Subject: Aves revelam o segredo das asas prateadas

 

Aves revelam o segredo das asas prateadas

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Bearded vulture (Gypaetus barbatus)

Algumas aves têm asas prateadas, criadas por um estrutura desconhecida até agora presente nas suas penas, descobriram os cientistas. 

Um arranjo delicado das bárbulas das penas origina um brilho prateado em penas de outra forma escuras. O efeito é diferente da habitual iridescência que dá cor à plumagem de muitas aves.

Os pelicanos, patos, abutres e garças todos têm essas asas prateadas, que podem indicar a aptidão de uma ave. Os investigadores publicaram os detalhes desta plumagem na última edição da revista Journal of Avian Biology.

Um grupo de cientistas sediado em Espanha e no Canadá e liderado por Ismael Galvan, do Museu Nacional de História Natural de Madrid, fez a descoberta ao estudar a plumagem do abutre barbudo Gypaetus barbatus, também conhecido por Lammergeier.

"Todos nos apaixonamos pelo abutre barbudo, uma ave rara e impressionante dos Pirenéus. O que mais nos impressionou foi o grau em que as aves adultas são, especialmente ao sol. As penas das asas, dorso e cauda destas aves têm um brilho prateado", diz Galvan. "Mais tarde, um de nós estava a trabalhar com gansos-patolas de patas vermelhas e ficou imediatamente impressionado com a semelhança das suas penas de voo das asas com as do abutre barbudo."

Intrigados, os investigadores começaram a percorrer as colecções do museu mantidas em Madrid e na Estação Biológica Doñana de Sevilha em Espanha e na Universidade de Saskatchewan em Saskatoon, Canadá. Aí, descobriram exemplos de um conjunto de outras aves de grande dimensão e de habitat aberto com a mesma característica.

Mas também notaram que espécies mais pequenas, como as aves canoras, não têm asas prateadas, o que os levou a suspeitar que esse brilho podia não ser gerado por pigmentos mas antes pela forma como as penas das aves são construídas.

Por isso examinaram uma série de penas de abutre barbudo ao microscópio óptico e electrónico de varrimento.

As penas das aves tipicamente são formadas por um eixo principal, chamado ráquis. Deste eixo ramificam-se uma série de elementos perpendiculares chamados barbas. Delas, por sua vez, ramifica-se uma série de elementos ainda mais pequenos chamados bárbulas, que correm quase paralelamente à ráquis e se engancham para dar à pena a sua solidez.

 

As imagens de microscópio revelaram que as aves com asas prateadas têm bárbulas construídas de forma diferente. Cada bárbula especializada é achatada, com um lado negro e o outro translúcido. As bárbulas são mais compridas que o habitual e, ainda mais importante, reviram-se.

Isso significa que uma parte significativa do seu comprimento fica exposto, criando um brilho branco ou prateado ao longo da pena. "É desta forma que a coloração 'brilho' é gerada, sem a ocorrência de dispersão coerente da luz, como nas penas estruturais 'tradicionais'", diz Galvan.

Eles testaram ainda mais as penas raspando-as com um par de tesouras, para danificar intencionalmente as bárbulas especializadas. Quando o fizeram, o brilho prateado desapareceu.

"O que é realmente uma surpresa é o grau de fragilidade desta estrutura", explica Galvan. "Uma pessoa pode facilmente raspar a cor com uma lâmina romba, o que permite diferenciar as penas velhas das novas. Em alguns casos, a cor passa de branco para preto."

Os investigadores também ficaram surpresos por encontrar a estrutura, pura e simplesmente. "A coloração das aves tem sido intensa e extensivamente estudada desde há muito", diz Galvan. "Mas esta estrutura não foi reconhecida, o que é muito estranho realmente, quando se nota o efeito dramático que tem sobre a coloração."

Os investigadores suspeitam que a cor escura das aves desenvolveu este lustre prateado como forma de exibição, ainda que mantendo os benefícios das penas de cor escura. As penas escuras contêm melanina, que protege as penas contra os efeitos danosos da abrasão e da radiação UV.

"As penas lustrosas podem representar uma forma alternativa de se tornar mais colorido e conspícuo", diz Galvan. "Este mecanismo pode gerar brilho nas penas que são realmente escuras." 

 

 

Saber mais:

On silver wings- a fragile structural mechanism increases plumage conspicuousness- Journal of Avian Biology

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com