2009-09-13

Subject: Dueto inter-espécies no Amazonas

 

Dueto inter-espécies no Amazonas

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

@ Joe Tobias & BBC

Duas espécies de aves canoras amazónicas cantam a mesma canção, revelaram os cientistas: os machos de duas espécies de pássaros formigueiros desenvolveram o mesmo chamamento para afastar outros machos do seu caminho.

Os investigadores da Universidade de Oxford acreditam que esta é a primeira evidência de duas espécies distintas desenvolverem a mesma canção territorial. Eles relatam na revista Evolution que esta é uma forma eficiente de competir por recursos sem o risco de ferimentos devidos a lutas.

Ambas as aves, o pássaro formigueiro peruano e o pássaro formigueiro de peito amarelo, pertencem à mesma família, "mas o facto de as duas espécies terem a mesma canção é na realidade uma coisa muito estranha", diz Joe Tobias, do Instituto Edward Grey da Universidade de Oxford, líder da investigação.

O facto de as canções serem "semelhantes" já tinha sido documentado, precisamente a razão porque Tobias e a sua equipa começaram a estudar a biologia dos pássaros formigueiros.

"Pensávamos que estas espécies deviam ter divergido recentemente a partir e um ancestral comum mas quando fizemos os testes genéticos descobrimos que ambas eram espécies antigas, já com vários milhões de anos. Esta descoberta fez com que fosse ainda mais estranho que tivessem canções tão semelhantes. "Por isso decidimos estudá-las com mais rigor no campo, mapeando os seus territórios e observando a sua reacção às canções."

A equipa de investigadores gravou as canções de ambas as espécies e reproduziu-as a aves macho da outra espécie e residentes no seu próprio território, tendo descoberto que as aves eram enganadas pela imitação.

"Quando reproduzíamos a canção da espécie rival, a ave residente respondia tão agressivamente como quando estava em presença de outro macho da sua própria espécie", recorda Tobias. "Funciona, não há qualquer tipo de sobreposição nos territórios das duas espécies."

 

Tobias explica que a canção dos machos era um sinal territorial reconhecido pelos competidores. "É por isso que todos os membros da mesma espécie tendem a ter a mesma canção, é um sinal dissuasor facilmente reconhecível. Neste caso, o sistema parece ter cruzado a barreira da espécie e mais de uma espécie usa o mesmo sinal."

Os cientistas pensam que as canções das aves evoluíram ao longo de milhões de anos de convergência. "Temos espécies mais fortemente aparentadas que estas duas noutras zonas da América do Sul e mesmo assim têm canções muito mais diferentes, apesar do facto de terem tido menos tempo para as desenvolver", diz Tobias.

Carlos Botero, investigador de comunicação animal do Centro Nacional de Síntese Evolutiva da Carolina do Norte, que não esteve envolvido no estudo, descreveu-a como uma "experiência muito interessante e bem concebida".

Ele salienta que havia algumas diferenças entre as canções dos pássaros formigueiros mas que a experiência de reproduzir as canções gravadas forneceu "uma elegante confirmação de que a semelhança entre as canções era biologicamente relevante".

"A chave é que as canções são menos diferentes que as restantes características, como a plumagem, que não têm nada a ver com o território", diz Botero. O estudo trouxe à luz, continua ele, que alguns sinais, incluindo as canções das aves, surgiram conduzidas pela "selecção social" pois os animais competem pelos mesmos recursos. 

 

 

Saber mais:

Oiça o canto destas espécies

Evolution

Esposas arruínam canto dos machos na presença de outras fêmeas

O canto dos pardais ilustra funcionamento da memória

 

 

Facebook simbiotica.orgTwitter simbiotica.orgFlikr simbiotica.orgYouTube simbiotica.org

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com