2009-08-25

Subject: DNA fornece pistas sobre morte de abelhas

 

DNA fornece pistas sobre morte de abelhas

 

 

Dificuldades em visualizar este email? Consulte-o online!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

@ BBCOs cientistas dizem que a morte em massa de abelhas a que se tem vindo a assistir pode ser causada por vírus que perturbam a expressão génica.

A equipa de investigadores analisou que genes eram activados e desactivados em abelhas saudáveis e comparou-os com os de abelhas recolhidas de colmeias com Doença do Colapso das Colónias (DCC) para chegar a essa conclusão.

Desde 2006 que a DCC tem causado perdas catastróficas nas colmeias americanas e tem sido implicada na morte de abelhas noutras localizações.

Escrevendo na revista PNAS, a equipa de investigadores explica que usaram "microarrays do genoma inteiro" para comparar as células do intestino das abelhas. A cientista principal May Berenbaum, da Universidade do Illinois, salienta que a descoberta só foi possível devido à publicação do genoma da abelha em 2006 (ver Genoma da abelha decifrado).

"É um repositório de informação incrivelmente útil, que permitiu a construção do microarray, que contém todos os 10 mil genes da abelha", diz ela. "Utilizámo-lo para comparar os genomas de abelhas com DCC e abelhas saudáveis e analisar as diferenças. É claro que com 10 mil genes havia muitas diferenças mas a maioria pudemos eliminar desde logo."

A equipa concentrou-se na análise da expressão genética de células d o intestino das abelhas pois esse é o local primário para desintoxicação por insecticidas e para a defesa imunitária.

Teorias anteriores tinham posto a hipótese de a DCC ser devida a envenenamento por pesticidas, bem como infecções e infestações com ácaros, mas a análise genética desta equipa não revelou expressão aumentada dos genes associados à resposta aos pesticidas.

Para além disso, os genes envolvidos na resposta imunitária não revelaram um padrão de expressão claro, apesar do aumento da prevalência de vírus e outros agentes patogénicos nas colmeias com DCC.

Mas o que foi claro no intestino das abelhas com DCC foi uma abundância de fragmentos de ribossoma, o que, de acordo com os investigadores, sugere que a produção de proteínas deverá estar comprometida nas abelhas das colmeias DCC

 

Investigações anteriores já tinham demonstrado que os vírus que as abelhas doentes transportam atacam todos os ribossomas. Trata-se de vírus do tipo picorna, um termo que junta pico (pequeno) e RNA.

"Estes vírus do tipo picorna atacam todos o mesmo local", diz Berenbaum. "O que fazem é invadir o ribossoma e em vez de este produzir proteínas da abelha melífera, passa a produzir proteínas do vírus. Por isso, provavelmente o que se passa é que o ribossoma se desgasta."

"Pensando desta forma, fomos investigar se as abelhas com DCC têm mais destes vírus que as abelhas saudáveis, e têm mesmo." Os vírus em questão incluem o vírus da asa deformada e o vírus da paralisia aguda israelita.

Os cientistas acreditam que se vários vírus do tipo picorna atacarem simultaneamente pode ser demasiado para o ribossoma. "Agora precisamos de analisar como os vários vírus podem interagir no ribossoma."

A abelha melífera é o polinizador chave da agricultura americana, valendo mais de $14 mil milhões para a economia do país. A DCC foi identificada pela primeira vez em 2006 e no Inverno de 2007-8 mais de um terço das abelhas americanas morreram.

Perdas semelhantes têm sido relatadas na Europa, fazendo temer que a DCC seja um padrão global. 

 

 

Saber mais:

Bee Research Laboratory

Não há provas da teoria da praga assassina de abelhas

Abelhas desaparecem misteriosamente nos Estados Unidos

França bane insecticida após morte de abelhas

Genoma da abelha decifrado

 

 

Fazer doação

 

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com