2009-07-20

Subject: Musaranho 'extinto' redescoberto

 

Musaranho 'extinto' redescoberto

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Cryptotis nelsoniUma minúscula espécie de musaranho foi redescoberta na natureza, mais de um século depois de ter sido descrita pela primeira vez.

Em 1894 um punhado de exemplares do musaranho de orelhas pequenas de Nelson foram recolhidos no sul do México mas nunca mais voltaram a ser vistos e, por isso mesmo, considerados extintos por muitos peritos.

Isso foi até dois investigadores descobrirem três musaranhos numa pequena zona florestal e o terem relatado na revista Mammalian Biology.

O musaranho de orelhas pequenas de Nelson Cryptotis nelsoni tem o nome de quem o descobriu pela primeira vez. Em 1894, Edward Nelson e Edward Goldman recolheram doze espécimes nas encostas do vulcão de San Martín Tuxtla em Veracruz, México.

Um ano depois, o animal foi formalmente descrito para a ciência e os espécimes foram armazenados nas gavetas do Museu Nacional de História Natural em Washington DC. Essa foi a última vez que o musaranho foi visto vivo nos últimos 109 anos.

A biologia do musaranho permaneceu um mistério e acreditava-se que se tivesse extinguido pois não havia registos da sua presença após tanto tempo. 

A situação mudou quando dois mamologistas sediados no México decidiram ir no seu encalço. Fernando Cervantes, da Universidade Nacional Autónoma do México, juntou-se a Lazaro Guevara, da Universidade de Veracruz no México, e, em 2004, partiram para as encostas do vulcão San Martín Tuxtla em busca do musaranho há muito perdido.

Colocaram 100 armadilhas por noite durante quatro noites e eventualmente capturaram três musaranhos, uma fêmea adulta, um macho adulto e um juvenil. Desde então os investigadores têm vindo a validar a sua descoberta.

"Revimos todos os artigos acerca do Cryptotis. Visitámos várias colecções biológicas e museus", diz Guevara. "Um estudo recente sobre a diversidade de mamíferos da Sierra de Santa Martha, Veracruz, não registou a presença de C. nelsoni, por isso achamos que não existem mais espécimes."

Os musaranhos são minúsculos, medindo menos de 10 cm da ponta do nariz à ponta da cauda. Têm pelagem castanha sedosa, mais escura do que a de uma espécie aparentada, C. mexicana. Também apresentam um crânio maior e mais pesado, ainda que mais achatado, que o dos seus parentes próximos.

Os investigadores encontraram os animais num fragmento de floresta das nuvens, que os locais apelidam de 'floresta anã' pelas suas árvores pequenas. 

 

"Sabemos muito pouco acerca do seu comportamento", diz Guevara. Segundo ele, após mais de 100 anos era aceitável pensar que o musaranho de orelhas pequenas de Nelson se tinha extinguido, especialmente porque os musaranhos tendem a ser esquecidos por muitos cientistas.

Os musaranhos sobreviventes são tão escassos que devem ser considerados criticamente ameaçados, dizem os investigadores.

O vulcão em que vivem entrou em erupção em 1793, destruindo toda a vegetação em redor da cratera mas apesar disso os musaranhos sobreviveram. Mas agora existem tão poucos que uma alteração pouco importante no seu habitat pode vir a revelar-se desastrosa, diz Guevara.

"Uma pequena alteração de habitat pode causar alterações na população que conduzam à sua extinção."

Existe na região agricultura e pecuária de subsistência e "qualquer plano de conservação precisa de envolver as comunidades, o governo e as escolas de forma a promover a dessiminação da importância desta espécie. No México, os musaranhos são pouco conhecidos, mesmo das pessoas que coexistem com este belos animais", diz Guevara.

Guevara explica que, quando começaram a sua busca os investigadores sabiam que o último registo da espécie tinha sido feito em 1894. "Pensámos que, por isso mesmo, era uma pesquisa muito importante. Era arriscado mas de grande valor para a conservação da vida selvagem. Ficámos muito satisfeitos quando atingimos o nosso objectivo." 

 

 

Saber mais:

Rediscovery of the critically endangered Nelson's small-eared shrew (Cryptotis nelsoni), endemic to Volcán San Martín, Eastern México - Mammalian Biology

Fernando Cervantes

Descoberta nova espécie de mamífero

Genes de antigos mamíferos reconstruídos

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com