2004-03-18

Subject: Porque as formigas fazem excelentes jardineiros

News of the Wild

 

Bem-vindo(a) a mais uma edição do boletim informativo  News of the  Wild

Este boletim é mantido pelo site Born to be Wild, para que não esqueça o seu lado selvagem ...

 

Em destaque:

Porque as formigas fazem excelentes jardineiros

 

  Questões ou comentários para: borntobewild@clix.pt

Dê o site Born to be Wild a conhecer a um amigo!!

 

As formigas cortadoras de folhas desenvolveram várias técnicas de jardinagem que lhes permitiram um sucesso invejável: cortam meias-luas de folhas de árvores, que transportam para o ninho. As folhas são usadas para formar um jardim de uma espécie específica de fungos, que lhes servirão de alimento, depois de esmagadas numa polpa.

As formigas apenas se alimentam de um tipo de fungo, o que as expõe, como acontece aos agricultores humanos, ao risco do desenvolvimento de agentes patogénicos causadores de doenças. O efeito desses agentes pode ser devastador, mas o que tem espantado os cientistas é a forma como a maioria das colónias de formigas mantém as culturas longe de doenças ou sob controlo. 

Descobrimos que as formigas empregam dois tipos de comportamentos para defender os seus jardins de fungos, explica o professor Cameron Currie, da Universidade do Kansas. O primeiro é o combate às infestações, em que as formigas recolhem zonas infectadas dos fungos e as despejam na lixeira. No segundo, as formigas limpam o jardim de fungos, recolhendo os esporos dos agentes infecciosos. 

Uma colónia de formigas pode incluir 8 milhões de indivíduos e recolher mais de 2 toneladas de folhas num ano. O jardim de fungos é de crucial importância, pois é onde as larvas são guardadas, mas sendo uma monocultura está sujeito a ataques. Para as formigas, o inimigo são outras espécies de fungos. 

Para estudar a técnica de jardinagem das formigas, Currie e seus colegas pulverizaram as folhas nos ninhos com agentes patogénicos e filmaram a reacção dos insectos. Inicialmente, as formigas ficaram muito agitadas, mas após 72 horas quase todos os vestígios desses agentes tinham sido removidos. 

 

Currie descobriu, também, como as formigas usam antibióticos para combater as infecções, desenvolvendo uma relação mutualista com uma bactéria, que é cultivada no seus próprios corpos. 

Como todos os bons jardineiros, as formigas têm uma pilha de composto fertilizante, localizada numa câmara ao lado do jardim. Operárias carregam os cadáveres de formigas mortas para essa câmara, enquanto outras lhes juntam os fungos que já não são produtivos. Outras operárias revolvem regularmente a pilha de dejectos, ajudando a sua decomposição. Estas formigas são uma potencial fonte de infecção, logo não lhes é permitido regressar à colónia. 

Se um parasita se instala, ou se o seu jardim de fungos é destruído, a colónia desaparece, pelo que são muito escrupulosas na higiene do local, embora não tenham capatazes que as dirijam nesta tarefa. O professor Nigel Franks, da Universidade de Bristol, acredita que estas colónias podem ensinar muito aos humanos. 

As tarefas de cada categoria de formiga envolvem diferentes riscos, explica Franks. Se, como humanos, fizermos parte da recolha do lixo, as nossas roupas podem estar contaminadas por substâncias e organismos perigosos. Não devíamos ir directamente do trabalho para a cozinha. Afinal trata-se de um problema de gestão: se conseguirmos perceber a distribuição de tarefas, poderemos melhorar muito as nossas fábricas ou redes de computadores.

 

 

Saber mais: 

Tom Davis

Earth birthday project

 

 

Comentar esta notícia           Imprimir

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja receber o boletim Born to be Wild clique aqui!!

Respeitar os animais é respeitarmo-nos a nós próprios!

@ Born to be Wild, 2004


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com