2009-06-25

Subject: Gripe suína coloca botos no limiar da extinção

 

Gripe suína coloca botos no limiar da extinção

 

 

Dificuldades em visualizar este email?

Consulte-o online!

Vaquita e outras espécies de captura secundária

A crise gémea enfrentada pelo México, a gripe suína e a economia em queda, pode fazer descarrilar um plano para salvar a espécie de cetáceo mais ameaçada do mundo. 

Restam apenas 150 vaquitas e todos os anos morrem cerca de 30 ao ficarem emaranhados nas redes de pesca mas o governo cortou os fundos destinados a tirar os pesqueiros de serviço ou a estimular os pescadores a usar equipamentos amigos das vaquitas.

A vaquita, que também é o cetáceo mais pequeno do mundo, é emblemática do que todas as espécies de golfinhos e botos passam para sobreviver em todo o mundo, dizem os conservacionistas.

Ao mesmo tempo que delegados governamentais, cientistas, caçadores de baleias e ambientalistas discutem o futuro dos grandes cetáceos migradores no encontro da Comissão Internacional de Caça à Baleia (IWC), a organização conservacionista WWF apresentou o novo relatório As Baleias Esquecidas, onde conclui que algumas das espécies menores estão em risco mais imediato.

Já este ano, o baiji, ou golfinho do rio Iangtsé, foi declarado provavelmente extinto e criticamente ameaçada vaquita Phocoena sinus, outra espécie restrita a uma habitat específico e restrito, será a seguinte se nada foi feito urgentemente, acreditam os conservacionistas.

"A estimativa da mortalidade atinge os 30 animais por ano e quando se tem uma população de apenas 150 é fácil imaginar que a população não sobreviverá muito tempo a isto se não se fizer nada", diz Lorenzo Rojas-Bracho, comissário do IWC para o México e chefe do programa nacional de conservação e investigação de mamíferos marinhos. "A situação é tão crítica que não se pode matar mais que uma vaquita por ano se a queremos salvar para as gerações futuras."

Após de anos de governos mexicanos sucessivos a negar o problema, a administração actual tinha recentemente colocado $18 milhões num fundo destinado à remoção de artes perigosas para a vaquita do norte do Golfo da Califórnia, que é o seu único habitat.

Rojas-Bracho referiu que o fundo já tinha removido cerca de 500 barcos de pesca ilegais da área e cerca de 400 barcos legais tinham recebido financiamento para deixar a indústria completamente ou para adoptar outro tipo de equipamento.

 

Era esperada outra tranche de dimensão semelhante, continuou ele, mas tinha sido reduzida em cerca de 60% devido à existência de outras prioridades nacionais. "O nosso ministro do ambiente insistiu que o assunto continua a ser uma prioridade para o governo, e ficámos felizes com isso, mas não vai ser fácil."

Outros países, incluindo a Suécia e os Estados Unidos, tinham contribuído para o fundo e o trabalho tem sido apoiado pelo WWF e pelo International Fund for Animal Welfare (IFAW) mas outras organizações conservacionistas que se tinham queixado da situação desesperada da vaquita não foram tão rápidas a contribuir, diz ele.

Com financiamento total, acrescenta ele, poderia ter sido possível reduzir as mortes de vaquitas devidas a redes de pesca a zero, o que é necessário para salvar a espécie, mas agora isso pode não ser possível.

A vaquita e o baiji lideram uma lista de oito pequenos cetáceos que o WWF considera estarem ameaçados. Outras espécies são os golfinhos dos rios Indu e Ganges, o golfinho de Hector da Nova Zelândia, o golfinho de bossa do Atlântico que vive ao largo da costa da África ocidental e o golfinho do Amazonas.

A poluição, perda de habitat e o tráfego marítimo estão entre os principais factores para a redução dessas populações.

O WWF salienta que de 69 espécies de pequenos cetáceos, 40 estão classificados como 'dados insuficientes' pela Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas, o que significa que não há evidências sobre se as suas populações estão em declínio ou não.

Muitos ambientalistas gostariam que os fundos da IWC passassem a incluir a conservação dos pequenos cetáceos. "É tempo de a IWC e os seus membros assumirem a responsabilidade pela conservação futura de todas as baleias, grandes e pequenas", diz Heather Sohl, funcionária de política das espécies do WWF UK.

 

 

Saber mais:

Small Cetaceans - The Forgotten Whales (PDF)

IWC

IUCN -Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas

Boto ameaçado pode estar em pior estado do que se pensava

 

 

Recebeu este boletim através de um amigo??

Faça a sua própria subscrição aqui!!

Se não deseja voltar a receber o boletim News of the Wild clique aqui!!

simbiotica.org  |  Arquivo  |  Comentar  |  Busca Contacte-nos  |  Imprimir  |  @ simbiotica.org, 2009


Return to Archives

Newsletter service by YourWebApps.com